Acusada de matar a filha, jovem morta com trs tiros dentro de casa

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

MicrosoftInternetExplorer4

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:”Times New Roman”;
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;}

Uma jovem de 19 anos, identificada como Ariane Gael da Silva, foi morta a tiros neste domingo (3), em Campo Novo dos Parecis (396 km de Cuiabá). O principal suspeito de cometer o crime é o namorado da vítima.

 

Ariane foi acusada pela Polícia Civil, em 2018, de matar a própria filha, de apenas quatro meses.

 

De acordo com a Polícia Militar da cidade, o homicídio aconteceu dentro da casa onde Ariane morava, no Bairro Jardim das Palmeiras.

 

O corpo dela foi encontrado na área da frente da casa, próximo da porta. Ela teria sido atingida por pelo menos três disparos.

 

A Polícia Civil foi acionada, mas até a manhã de hoje (4), o namorado da jovem não havia sido localizado.

 

A motivação do homicídio é desconhecida. Um inquérito deve ser instaurado para investigar o caso.

 

Relembre o caso

 

Segundo as investigações, a filha de Ariane já estava morta quando foi levada a uma unidade de saúde do Município. A Polícia foi imediatamente acionada pelos profissionais da unidade, que perceberam diversos hematomas em seu corpo.

 

O pai da menina e Ariane foram detidos em ação da Polícia Civil na tarde daquele mesmo dia. O casal era usuário de drogas (pasta base, crack e álcool) e possui passagens policiais por delitos de pequeno porte.

 

Vizinhos relataram que eram constantes as cenas de maus-tratos aos filhos. Além da menina, os suspeitos têm outro filho, um menino de dois anos.

 

Conduzidos à delegacia, os suspeitos apresentaram versões desencontradas, culpando um ao outro pela morte da criança.

 

De acordo com o delegado à frente das investigações, Adil Pinheiro de Paula, os dois responderam por homicídio doloso em razão de terem assumido o risco de matar a criança com condutas irresponsáveis.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *