Avaliações de perdas na colheita do milho segunda safra na região Sul do Mato Grosso

A colheita é o momento mais esperado e um dos mais importantes da lavoura. Através dos resultados da colheita, conseguimos traduzir em números tudo o que aconteceu durante a safra, desde o planejamento, recomendações de corretivos e fertilizantes, escolha de cultivares, tratos fitossanitários, clima, efeitos biológicos e de ambientes de produção e também a qualidade operacional mecanizada no decorrer do processo produtivo. Porém, existem vários outros fatores inerentes ao processo de colheita que podem diminuir a rentabilidade das lavouras, são eles umidade no momento da colheita, características de híbridos ou cultivares e os ajustes e calibrações das colhedoras.

Durante a colheita do milho segunda safra em 2020, foram realizados levantamentos de perdas na colheita em 17 colhedoras distribuídas em 10 fazendas na região Sul do Mato Grosso. 

As avaliações foram realizadas em 3 velocidades diferentes, 4km/h, 6km/h e 8km/h em duas repetições avaliando 1 metro de comprimento em toda a extensão da plataforma nas mesmas regulagens e calibrações em que as propriedades estavam utilizando. 

Em algumas propriedades as perdas na colheita são elevadas, caracterizando a subutilização dos recursos tecnológicos disponíveis nas colhedoras e em alguns casos, indicando que a renovação da frota de colhedoras já se faz necessário devido à quantidade de tempo de utilização.

Por; Redação