Brasileiro cria biopesticida extraído do pequi contra formigas cortadeiras

João Matheus Balduíno, de 19 anos, é um jovem cientista, aluno concluinte do Colégio Objetivo Juazeiro do Norte (CE). Sua paixão pela ciência e pesquisa o fez ir a fundo em um projeto sustentável de biopesticida que combate formigas cortadeiras em plantações, feito com restos de pequi, fruto típico do cerrado.

João Matheus Balduíno e Lilian Duarte. Foto: Divulgação.

Na década de 1970, o pesquisador e entomologista Domingos Gallo levantou números impressionantes sobre o impacto das saúvas na atividade agropecuária. Estudioso das formigas cortadeiras, ele chegou à conclusão de que dez sauveiros por hectare da espécie Atta capiguara são capazes de se alimentar de 21 kg de capim por dia. O valor é equivalente ao consumo diário de um boi em regime de pasto. Considerando que sauveiros maduros (com até cinco anos), têm entre 3,5 e 7 milhões de indivíduos fica fácil enxergar o tamanho do problema.

formiga cortadeira milk point

Foto: Milkpoint

O Projeto Biopequi, elaborado pelo estudante com orientação da professora Lilian Duarte, beneficiará produtores da região do Cariri. A ideia é produzir a substância em massa e distribuí-la gratuitamente. “Quero ajudar os pequenos agricultores. A agricultura é a fonte de renda dessas famílias e as formigas cortadeiras podem fazer grandes estragos nas hortas. O produto é fabricado com a casca do pequi, uma matéria-prima de baixo custo e fácil produção”, explica Matheus.Pequi 3

Pequizeiro em Canarana – MT. Foto: AGR.

Ele conta que, em 2019, iniciou as pesquisas sobre o fruto e suas propriedades e, no laboratório do colégio, começou a colocar em prática os experimentos. “Fizemos também entrevistas com profissionais da área ambiental para saber os danos que os pesticidas poderiam causar ao solo, às plantas e ao meio ambiente”, conta.

O sonho de João Matheus é ampliar fronteiras e beneficiar agricultores de todo o país.

Por Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *