Com alta de 1,22% em dezembro, INPC fecha 2019 em 4,48%

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) fechou 2019 com alta de 4,48%. O percentual é 1,05 ponto percentual (p.p.) acima do ano anterior, quando ficou em 3,43%. O resultado foi divulgado hoje (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

 

Os componentes alimentícios do índice registraram elevação de 6,84%, um salto diante do registrado no ano anterior, de 3,82%. Já os não alimentícios subiram 3,48%, um pouco acima dos 3,25% de 2018.

No ano, a região metropolitana de Belém foi a que registrou maior variação (5,76%). Na capital paraense, as carnes subiram 34,73% e causaram efeito de 2,07 p.p. no resultado geral do INPC local. O menor índice foi em Brasília (3,52%), onde os recuos dos preços do tomate (34,28%) e do item energia elétrica (2,79%) contribuíram para o resultado.

 

Dezembro

 

Em dezembro, o indicador subiu 1,22%. No mês anterior tinha variado 0,54%. Segundo o IBGE, o resultado é o maior para um mês de dezembro desde 2002, quando chegou a 2,70%. Já em dezembro de 2018, a taxa registrou elevação de 0,14%.

A elevação nos produtos alimentícios, que passaram de 0,78% em novembro, para 3,66% em dezembro, provocaram impacto no indicador. Situação diferente do grupo de não alimentícios, que caíram para 0,17%, enquanto, em novembro, a taxa havia sido de 0,44%.

 

Regiões

 

Nos indicadores regionais, por causa da queda do item energia elétrica (4,12%) e da alta menor nas carnes (7,59%), na comparação com as demais áreas de abrangência da pesquisa, o menor resultado foi no município de Rio Branco, com variação de 0,61%. Ao contrário da região metropolitana de Belém, que teve o maior resultado (1,90%). Lá, de acordo com o IBGE, o efeito foi provocado, em grande medida, pela alta nos preços das carnes (14,45%).

 

Indicador

 

Para o cálculo do INPC do mês, foram comparados os preços coletados no período de 28 de novembro a 27 de dezembro de 2019 que é a referência com os preços vigentes no período de 29 de outubro a 27 de novembro de 2019, a base.

Calculado pelo IBGE desde 1979, o INPC se refere às famílias com rendimento de 1 a 5 salários mínimos. O indicador é pesquisado em dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e Brasília.

 

 

Fonte       http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2020-01/com-alta-de-122-em-dezembro-inpc-fecha-2019-em-448