Com campanha invicta, Brasil conquista título do primeiro Mundial de Futebol de Areia Raiz

O Brasil conquistou na noite deste domingo (13.12) o título do 1º Mundial de Futebol de Areia Raiz. A equipe nacional derrotou na decisão a França por 4 x 2 na Arena Gladiadores da Bola, montada dentro do Centro Olímpico de Tênis, no Parque Olímpico da Barra, no Rio de Janeiro.

O título veio de forma invicta, numa trajetória de seis vitórias em seis partidas. Ao todo, o Brasil anotou 31 gols e sofreu 10. Na rodada de estreia, contra os mesmos franceses, o time comandado pelo técnico China venceu por 5 x 3. Na sequência 5 x 2 sobre a Tunísia e 11 x 1 sobre o México, resultado que encerrou a fase de grupos. Nas quartas de final, jogo duro contra Angola, e vitória apertada por 2 x 1. Na semifinal, o Brasil superou o Uruguai por 4 x 1.

A decisão teve um primeiro tempo de grande equilíbrio e uma segunda etapa em que o Brasil mandou no jogo. Logo aos dois minutos de bola rolando, o Brasil abriu o placar com Gabriel Novaes. Após receber passe pelo alto, ele bateu de primeira, rasteiro, para a bola passar no meio das pernas do goleiro Bruno Ferry.

A França mostrou ser uma adversária competitiva e empatou aos sete minutos. O camisa 10 Florent Sinama-Pongolle chutou cruzado, a bola saiu mascada e o goleiro Jocimar não conseguiu defender. O Brasil voltou a ficar à frente aos 11, quando Pedrinho Carioca bateu tiro livre e venceu Ferry. Ainda no primeiro tempo, aos 16 minutos, Florent Sinama-Pongolle acertou voleio, Jocimar espalmou e a bola sobrou para Deukmedjian conferir: 2 x 2

O empate permaneceu até o intervalo, mas, logo no início da etapa final, o Brasil voltou a ficar na frente no segundo minuto, quando Pedrinho Carioca marcou seu 13º gol na competição em tiro livre direto. O atleta se consolidou como artilheiro da competição. A seleção continuou melhor e, aos 16, chegou ao quarto gol, quando Gabriel Novaes cobrou falta para Guto Maranhão, que girou em cima da defesa e chutou para a bola passar sob as pernas do goleiro Bruno Ferry.

Pelo terceiro lugar, Colômbia e Uruguai fizeram uma das partidas mais disputadas do campeonato, com empate em 4 x 4 no tempo normal. Na decisão por pênaltis, os colombianos levaram a melhor: 2 x 0.

Em função da pandemia do novo coronavírus (covid-19), a competição foi disputada sem a presença de púbico. As delegações e toda a equipe de organização e transmissão do evento fizeram testes de Covid-19 antes do início da competição. A arena também seguiu todos os protocolos de higienização e de prevenção de aglomerações.

Regras e elenco

Diferentemente do beach soccer, disputado em areia fofa, em três tempos de 12 minutos e com times com cinco atletas de cada lado, o futebol de areia raiz tem equipes de seis atletas em ação (contando o goleiro) e uma arena maior, de 30m x 42m (a do beach soccer é de 27m x 35m). A areia é mais compacta e as partidas são em dois tempos de 20 minutos. As substituições são livres e não existe empate.

O elenco brasileiro foi composto por 12 atletas sob comando do técnico China, campeão mundial interclubes atuando como volante pelo Grêmio em 1983. Os campeões mundiais são os goleiros Jocimar (RS) e Neneca (RJ), os fixos Toinho (RJ), Gabriel (RJ) e Vandão (RS), os alas Dino (PB), Caiçara (SP) e Guto (MA), pela esquerda, além de Pedrinho (RJ) e Felipe (RJ), pela direita. No ataque, Lincoln (ES) e Guerreiro (SP).

Diretoria de Comunicação – Ministério da Cidadania, com informações da Agência Brasil