Competitividade da carne suína cresce em julho diante da queda no preço

A competitividade da carne suína cresceu no mês de julho na comparação com às principais concorrentes, a carne bovina e de frango, de acordo com o Cepea. Segundo a analista de mercado do Cepea, Juliana Ferraz, a desvalorização do suíno foi determinante para o cenário.

“Esse aumento na competitividade está ligado à queda no preço da carne suína. Para o frango, que é proteína mais barata, houve valorização de 6% em julho. A carne bovina caiu 1%, no entanto, a carne suína teve 5% de queda nos preços em relação aos valores de junho”, explica Juliana.

No começo de julho, as vendas de carne suína estavam mais enfraquecidas. Mas, a partir da segunda quinzena, passou a haver uma recuperação e essas quedas do início do mês puxaram para baixo na valorização ao longo de julho.

Segundo a analista do Cepea, o momento pode não ser favorável para projetar alta nos preços das carnes. “É complicado, pois grande parte da população está com o poder de compra enfraquecido e isso torna difícil os produtores repassarem o seu custo de produção para a indústria, que por sua vez terá dificuldades de repassar essas despesas para as redes varejistas, desfavorecendo um cenário de alta para os consumidores”, pontua.

 

 

 

A competitividade da carne suína cresceu no mês de julho na comparação com às principais concorrentes, a carne bovina e de frango, de acordo com o Cepea. Segundo a analista de mercado do Cepea, Juliana Ferraz, a desvalorização do suíno foi determinante para o cenário.

“Esse aumento na competitividade está ligado à queda no preço da carne suína. Para o frango, que é proteína mais barata, houve valorização de 6% em julho. A carne bovina caiu 1%, no entanto, a carne suína teve 5% de queda nos preços em relação aos valores de junho”, explica Juliana.

No começo de julho, as vendas de carne suína estavam mais enfraquecidas. Mas, a partir da segunda quinzena, passou a haver uma recuperação e essas quedas do início do mês puxaram para baixo na valorização ao longo de julho.

Segundo a analista do Cepea, o momento pode não ser favorável para projetar alta nos preços das carnes. “É complicado, pois grande parte da população está com o poder de compra enfraquecido e isso torna difícil os produtores repassarem o seu custo de produção para a indústria, que por sua vez terá dificuldades de repassar essas despesas para as redes varejistas, desfavorecendo um cenário de alta para os consumidores”, pontua.

 

 

 

Canal Rural © 2020 Todos os direitos reservados.

Canal Rural © 2020 Todos os direitos reservados.