Criadas vacinas orais para prevenir doenças em peixes

Pesquisadores do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) de Portugal desenvolveram vacinas orais para peixes de aquacultura que, incorporadas no alimento, previnem a ocorrência de doenças bacterianas, estando neste momento a testar a solução em robalos. De acordo com Cláudia Serra, investigadora do centro da Universidade do Porto, explicou hoje que o projeto, intitulado ProbioVaccine, surgiu quando foi vista uma necessidade de solucionar doenças bacterianas que são frequentes nos peixes. 

“As doenças bacterianas, algumas de caráter zoonótico, são muito frequentes e levam a perdas económicas muito significativas porque a produção de aquacultura fica afetada. A maioria das vacinas usadas na aquacultura são injetáveis, mas do ponto de vista logístico é muito trabalhoso porque os peixes são vacinados um a um, implica bastante investimento e tem repercussões ao nível do stress dos peixes. Os peixes são muito suscetíveis ao stress e não gostam de ser manuseados, nem de estar fora de água”, comenta. 

Ainda que a vacinação oral não seja “uma novidade na aquacultura”, a desenvolvida pelo CIIMAR foi testada em peixes zebra e revelou “resultados promissores” com diferentes patogénicos. Isso porque em um deles se observou uma “redução da mortalidade na ordem dos 50% e no outro de 70%”. 

“Prevemos que pelo menos um produto comercial resulte deste projeto e que a tecnologia proposta possa ser aplicada no controle de doenças em diferentes espécies de peixes e contra diversas doenças bacterianas que afetam a sustentabilidade da aquacultura. Produzimos a nossa vacina e incorporamos na dieta do peixe, que também é produzida no CIIMAR, e depois alimentamos os peixes. Neste momento, vamos vaciná-los durante um mês, sendo que o objetivo mais tarde é perceber qual o tempo mínimo para ser eficaz”, conclui.