Deputado apresenta emenda que exclui aposentados em projeto

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-language:EN-US;}

O deputado estadual Lúdio Cabral (PT) apresentou uma emenda para evitar que servidores aposentados e pensionistas sejam incluídos na reforma da Previdência. Pela proposta do Governo do Estado, todos os servidores aposentados que ganham acima de um salário mínimo teriam que pagar 14% ao MTPrev.

 

A emenda suprime os parágrafos 5º e 6º do inciso II do artigo 2º. Esses são os parágrafos que preveem a taxação dos inativos que ganham abaixo do teto do INSS, ou seja, que ganham menos de R$ 5,8 mil.

 

Atualmente, apenas os aposentados e pensionistas que ganham acima desse teto contribuem para a Previdência estadual, e pagam 11% apenas sobre o valor que ultrapassa o teto.

 

“Isso é crueldade do governador. Os recursos retirados do bolso dos aposentados irão para a Conta Única, para o governador gastar como quiser. Nenhum outro governador teve coragem de mexer no bolso dos aposentados que ganham abaixo do teto do INSS”, afirmou.

 

Se estivesse preocupado com a sustentabilidade da Previdência, o governador de Mato Grosso buscaria alternativas

“Se estivesse preocupado com a sustentabilidade da Previdência, o governador de Mato Grosso buscaria alternativas para compor o Fundo da Previdência”, acrescentou.

 

O petista apresentou também uma emenda para retirar o artigo 4º do projeto, que prevê a redução das despesas do Executivo para aumentar o orçamento dos outros poderes.

 

O deputado argumentou que, com isso, o governador vai tirar recursos dos serviços prestados à população nas áreas essenciais para compensar o aumento da despesa com contribuição patronal dos outros Poderes.

 

As emendas precisam ser analisadas pela Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) antes de ir a plenário, para análise dos 24 deputados.

 

A medida será votada na noite desta sexta-feira (10).