Deputado: “PSL disputar Senado para evitar eleio de corruptos”

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-language:EN-US;}

O deputado estadual Claudinei Lopes afirmou que o PSL deve disputar a eleição suplementar para o Senado, que deve ocorrer no ano que vem após a cassação do mandato de Selma Arruda (Podemos).

 

Segundo ele, o principal temor dos membros do partido é de que algum político que responde a ações por corrupção possa se eleger para a vaga.

 

“A Selma vinha fazendo um trabalho muito bom. Infelizmente, Mato Grosso perde com a saída dela e corre risco de ser eleito um nome da velha política. Ela era um nome novo e trouxe esperança aos quase 700 mil eleitores que a elegeram”, disse ao MidiaNews.

 

“Os nomes que a gente vê sendo lançados como pré-candidatos são de políticos antigos, que podem não fazer um trabalho a contento para Mato Grosso. A nossa frustração é de eleger um político desses antigos, inclusive com processo de corrupção, um corrupto. Essa é nossa preocupação”, acrescentou.

 

Claudinei disse estar disposto a concorrer à vaga. Entretanto, citou que também são aptos à disputa o deputado estadual Silvio Fávero e o deputado federal Nelson Barbudo. Além disso, citou o deputado federal José Medeiros, que é filiado ao Podemos.

 

Eu não descarto. É uma possibilidade, se a gente tiver apoio dos colegas, não só do PSL, mas de outros que estamos sempre em contato

“Eu não descarto. É uma possibilidade, se a gente tiver apoio dos colegas, não só do PSL, mas de outros que estamos sempre em contato. Não sei o Medeiros pode concorrer. Se ele não concorrer e me apoiar, já seria uma força muito grande. Até pelo contato direto que o Medeiros tem com o Bolsonaro, com a bancada. Eu vou conversar com o Medeiros sobre isso”, afirmou.

 

“Ainda não conversei com o Sílvio ou Barbudo, mas acho importante a gente lançar um dos três. Seria importante lançar candidatura para que o PSL continue forte no Senado. Mato Grosso só tem a ganhar se um dos três for eleito. Bolsonaro vai continuar ajudando muito o Estado. A gente não conversou ainda, mas iremos em breve”, disse.

 

Interferência de Bivar

 

Claudinei disse esperar que o presidente nacional do PSL, deputado federal Luciano Bivar, não interfira na escolha do nome do partido para a disputa.

 

Isso porque, tanto ele quanto Barbudo já anunciaram que irão seguir o presidente Jair Bolsonaro para o partido Aliança pelo Brasil, assim que este for criado. Com isso, o temor é que Bivar “retalhe” ambos no Estado.

 

“Acredito que ele não vá querer interferir nisso. É o nome do PSL que está em jogo aqui em Mato Grosso. Acho que o PSL tem se destacado com o trabalho dos eleitos. Esperamos que ele não interfira nessa possível candidatura de nome do PSL”, afirmou.

 

“Mas se ele fizer isso, quem perde é o PSL nacional, com o enfraquecimento de uma possível eleição de um candidato do partido para fortalecer no Senado”, completou.

 

A cassação

 

Selma e seus suplentes Gilberto Eglair Possamai e Clérie Fabiana Mendes foram cassados pelo Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE) em abril deste ano, por omitir despesas na ordem de R$ 1,2 milhão durante a pré-campanha e campanha de 2018, o que configura caixa 2 e abuso de poder econômico. 

 

Os gastos foram identificados na contratação da KGM, empresa de pesquisa eleitoral, e a Genius Publicidade.

 

Na noite desta terça-feira (10), o Tribunal Superior Eleitoral confirmou a cassação, por 6 votos a 1. 

 

Os ministros também decretaram a inelegibilidade de Selma e seus suplentes por um prazo de oito anos, além da realização de novas eleições em Mato Grosso.

 

Leia mais sobre o assunto:

 

Aos 78 anos, cacique do MDB se movimenta para disputar Senado

 

TRE prevê eleição entre março e junho ao custo de até R$ 9 milhões

 

“Avaliação de Selma é política; MPF lida com fatos e provas”

 

Selma diz que sofreu perseguições políticas por ações como juíza

 

Por 6 votos a 1, ministros do TSE cassam mandato de Selma

 

Congressistas manifestam apoio à Selma e criticam decisão do TSE