Dirigente do Atlético-GO rebate críticas por vacinação e chama Casagrande de ‘viciado’

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O presidente do Conselho Deliberativo do Atlético-GO, Jovair Arantes, respondeu agressivamente às críticas destinadas ao clube por ter recebido 44 doses de vacina contra a Covid-19 na semana passada. Ele se incomodou particularmente com o comentário do ex-jogador Walter Casagrande, da TV Globo, e o atacou.


“Vou falar de um dos que fizeram críticas, o Casagrande. Se perguntassem se buscar cocaína no Paraguai era bom, ele falaria que é, porque ele é viciado em droga e não está acostumado com preparo físico, com respeitar vidas, com preservar vidas”, disse o dirigente, em entrevista à Rádio BandNews FM.

Casagrande, 58, fala sempre abertamente sobre a dependência química e os problemas que ela lhe causou. O tema foi amplamente abordado nos três livros do ex-jogador a respeito sua vida, e o último deles, “Travessia”, dá especial atenção à questão. O comentarista procura passar uma mensagem de esperança aos dependentes e afirma estar livre das drogas desde 2015.

O vício, porém, é frequentemente usado por seus detratores. E foi a arma encontrada pelo presidente do Conselho Deliberativo do Atlético-GO para se defender das críticas dirigidas ao clube -em seu espaço na Globo, o ídolo do Corinthians censurou a atitude da agremiação e a considerou “um absurdo”, “uma falta de respeito e empatia com as vítimas do coronavírus no Brasil”.

Na última semana, jogadores, membros da comissão técnica e o presidente do Atlético, Adson Batista, tomaram a vacina no Paraguai. Quem ofereceu o imunizante foi a Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol), que recebeu doações do laboratório chinês Sinovac e decidiu distribuir 50 mil doses de Coronavac entre seus filiados.

Em compromisso válido pela Copa Sul-Americana, o Atlético-GO foi atuar em Assunção, onde fica a sede da Conmebol, e se tornou o primeiro time brasileiro a aceitar a ajuda. Houve vários questionamentos à atitude, já que os atletas não estão entre os grupos prioritários do Brasil, e a equipe foi acusada de furar a fila.

“O que o Atlético-GO fez, e fez muito bem, foi tomar a vacina lá, porque é uma vacina oferecida pela Conmebol, não custa um centavo para o Brasil. Com esse volume de vacinas que estamos tomando, é economia para o Brasil, e nós entendemos que a prática esportiva deva ser preservada também”, disse Arantes.

“O Atlético sempre primou pela prática esportiva, pela vida, pelo respeito aos protocolos, desde o começo. O Atlético é um time que está absolutamente correto. Os que estão fazendo essa tempestade em copo d’água são os imbecis do politicamente correto”, acrescentou o presidente do Conselho Deliberativo.

O dirigente, por fim, fez críticas à legislação brasileira, que exige doação ao SUS (Sistema Único de Saúde) de vacinas adquiridas por instituições privadas. Pelas regras atuais, só após a imunização dos grupos prioritários as empresas poderão comprar vacinas para seus funcionários, desde que doando 50% ao PNI (Programa Nacional de Imunizações).

“Se necessário fosse, estaríamos comprando a vacina para das aos nossos atletas. O governo brasileiro, me desculpe, imbecilmente não permite que se comprem as vacinas. Se permitissem, o Brasil já estaria quase todo vacinado. Eles ficam fazendo guerra política em vez de procurar trazer vacinas”, concluiu o cartola.

3 thoughts on “Dirigente do Atlético-GO rebate críticas por vacinação e chama Casagrande de ‘viciado’

  • maio 11, 2021 em 10:38 pm
    Permalink

    Thanks in support of sharing such a good thought, article is good, thats why i have
    read it completely

  • maio 11, 2021 em 10:40 pm
    Permalink

    Does your site have a contact page? I’m having a tough time
    locating it but, I’d like to shoot you an email. I’ve got some creative ideas for your blog you
    might be interested in hearing. Either way, great website and
    I look forward to seeing it expand over time.

Fechado para comentários.