Emanuel descobre boicote e manda afastar 12 servidores do HMC

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-language:EN-US;}

O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) afirmou, na manhã desta terça-feira (7), que determinou o afastamento de pelo menos 12 servidores comissionados do Hospital Municipal de Cuiabá (HMC) por estarem boicotando o funcionamento da unidade.

 

“No HMC tivemos que desligar alguns funcionários. Não vou admitir que fiquem [trabalhando nas unidades de saúde] e arrebentem o patrimônio público, pelo puro prazer de desfazer, de destruir, de tentar atrapalhar e boicotar o compromisso de uma gestão popular”, disse o prefeito.

 

“Pelo amor de Deus, não vão ficar. Se chegar a meu conhecimento, não fica um. Ontem mandei desligar mais doze. Estou colocando gente pra fiscalizar, pra cuidar… teremos um padrão de saúde pública digna, humanizada”, acrescentou Emanuel, durante discurso no lançamento do programa Amor – Assistência Médica e Odontológica Rural.  

 

Detectamos que entupiram vaso de propósito. Jogaram camisa, lençol, só faltou jogar travesseiro dentro do vaso sanitário

Questionado sobre os motivos que levaram ao afastamento dos servidores, o prefeito revelou, por exemplo, que foram constatados casos dentro do HMC de vasos sanitários que foram entupidos de forma proposital.

 

“Detectamos que entupiram vaso de propósito. Jogaram camisa, lençol, só faltou jogar travesseiro dentro do vaso sanitário. Tivemos que recuperar e estamos desligando aqueles que não estão comprometidos e não querem trabalhar para o povo”, disse.

 

“Mas isso está dentro de uma conjuntura administrativa normal. Onde você trabalha com 1,3 mil servidores, você tem aqueles comprometidos e dedicados – e que são maioria -, mas tem servidores relapsos, que empurram com a barriga, que não querem trabalhar”, emendou.

 

O prefeito afirmou também ter determinado que a fiscalização de possíveis “boicotes” por parte de servidores se estenda a todas as unidades de saúde do Município.

 

Programa Amor

 

O prefeito lançou o programa Amor, que leva atendimento ambulatorial à população das comunidades terapêuticas e zona rural que encontram-se fora da área de abrangência da estratégia de saúde da família.

 

O programa conta com duas unidades móveis e cada equipe é composta por 01 Médico Generalista, 01 Enfermeiro, 02 Técnicos de Enfermagem, 01 Cirurgião-dentista, 01 Assistente social, 01 Técnico ou Auxiliar de Saúde Bucal, além de 01 Agente Administrativo e 01 motorista.

 

Serão oferecidas consultas médicas, consultas de enfermagem, exames laboratoriais, vacinas, farmácia básica, antropometria, consulta pré-natal, teste rápido (de ISTs), consulta odontológica, serviços de urgência odontológica, restaurações dentárias, serviços de prótese dentária e orientações gerais.