Governo libera milho balcão; Daoud vê negligência na política agrícola

O presidente Jair Bolsonaro assinou hoje uma medida provisória que autoriza a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) a comprar milho a preços de mercado. O objetivo da subvenção é aumentar os estoques públicos para, assim, ampliar as vendas de balcão.

Em um vídeo postado pelo presidente, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, diz que a ação irá beneficiar principalmente os pequenos criadores no Nordeste. “O milho vai deixar de viajar muito para depois voltar quase para o mesmo lugar. O pequeno criador de animais vai poder comprar diretamente ali, do produtor, através da Conab”, declarou o presidente.

Em maio, a ministra já havia anunciado que o governo estava preparando essa medida provisória e a revisão dos preços mínimos do milho. “Esse milho é esperado principalmente pelos produtores do Nordeste. No ano passado, foi muito enviado para o Rio Grande do Sul, quando houve aquela seca”, comentou Cristina, que vinha reclamando da demora do governo em assinar a MP, entre outras medidas.

Para o comentarista Miguel Daoud, a reinvindicação já vinha sendo feita há meses. “Qualquer país do mundo usa instrumentos de política agrícola para equalizar a oferta”, diz ele. “A tese está baseada na compreensão de que o ciclo agrícola é muito grande, então não é todo momento que você tem o produto e isso acaba impactando os preços”, acrescenta.

“O governo não tem recursos suficientes para fazer a execução de todas as políticas agrícolas”, analisa Daoud, para quem a política agrícola brasileira é negligenciada pela política. “Vamos continuar batendo nessa tecla para que os produtores tenham mais direitos”, afirma.

O presidente Jair Bolsonaro assinou hoje uma medida provisória que autoriza a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) a comprar milho a preços de mercado. O objetivo da subvenção é aumentar os estoques públicos para, assim, ampliar as vendas de balcão.

Em um vídeo postado pelo presidente, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, diz que a ação irá beneficiar principalmente os pequenos criadores no Nordeste. “O milho vai deixar de viajar muito para depois voltar quase para o mesmo lugar. O pequeno criador de animais vai poder comprar diretamente ali, do produtor, através da Conab”, declarou o presidente.

Em maio, a ministra já havia anunciado que o governo estava preparando essa medida provisória e a revisão dos preços mínimos do milho. “Esse milho é esperado principalmente pelos produtores do Nordeste. No ano passado, foi muito enviado para o Rio Grande do Sul, quando houve aquela seca”, comentou Cristina, que vinha reclamando da demora do governo em assinar a MP, entre outras medidas.

Para o comentarista Miguel Daoud, a reinvindicação já vinha sendo feita há meses. “Qualquer país do mundo usa instrumentos de política agrícola para equalizar a oferta”, diz ele. “A tese está baseada na compreensão de que o ciclo agrícola é muito grande, então não é todo momento que você tem o produto e isso acaba impactando os preços”, acrescenta.

“O governo não tem recursos suficientes para fazer a execução de todas as políticas agrícolas”, analisa Daoud, para quem a política agrícola brasileira é negligenciada pela política. “Vamos continuar batendo nessa tecla para que os produtores tenham mais direitos”, afirma.

Canal Rural © 2020 Todos os direitos reservados.

Canal Rural © 2020 Todos os direitos reservados.