Grãos: IGC eleva projeção da safra global 2021/22 para 2,292 bi de toneladas

O Conselho Internacional de Grãos (IGC, na sigla em inglês), que tem sede em Londres, elevou sua previsão de produção global de grãos na temporada 2021/22 em 5 milhões de toneladas, de 2,287 bilhões para 2,292 bilhões de toneladas, de acordo com relatório mensal divulgado nesta quinta-feira, 27.

Caso confirmado, o volume total será 3% maior do que o estimado para a temporada anterior. O aumento foi motivado principalmente por uma maior expectativa para a produção de milho, disse o IGC. “Uma maior projeção para a produção global compensa parcialmente os estoques iniciais mais apertados”, comentou o conselho no relatório.

A estimativa para consumo mundial também foi aumentada de 2,286 bilhões de toneladas para 2,297 bilhões de toneladas, enquanto a previsão de estoques foi cortada de 609 milhões de toneladas para 595 milhões de toneladas. “Com o consumo aumentando em 10 milhões de toneladas, principalmente em uma projeção de aumento de grãos destinados para alimentação, os estoques finais foram cortados em 15 milhões de toneladas no mês, o menor nível de 7 anos”, acrescentou o IGC.

Para a soja em 2021/22, o IGC manteve a previsão de produção em 383 milhões de toneladas. O consumo foi ajustado de 379 milhões para 378 milhões de toneladas, enquanto os estoques foram elevados de 50 milhões de toneladas para 51 milhões de toneladas.

Quanto ao milho, o conselho elevou a estimativa produção de 1,192 bilhão para 1,194 bilhão de toneladas. O consumo foi ajustado de 1,199 bilhão para 1,200 bilhão de toneladas, enquanto os estoques foram cortados de 264 milhões para 261 milhões de toneladas.

De trigo, o IGC manteve a expectativa de produção em 790 milhões de toneladas. A previsão de consumo foi elevada de 782 milhões para 787 milhões de toneladas, enquanto a estimativa de estoques permaneceu em 298 milhões de toneladas.

Safra de grãos em 2020/21

Em relação à safra 2020/21, o IGC cortou a sua previsão de produção global de grãos na temporada em 6 milhões de toneladas, de 2,226 bilhões para 2,220 bilhões de toneladas. Apesar da redução, caso confirmado, o volume total será 1,6% maior do que o estimado para a temporada anterior. Segundo o conselho, a redução foi motivada principalmente por uma menor expectativa para a produção de milho no Brasil.

Em relação ao consumo mundial de grãos no ciclo atual, a entidade elevou sua estimativa de 2,235 bilhões para 2,237 bilhões de toneladas. Diante do maior consumo esperado, a previsão de estoques finais foi reduzida de 609 milhões de toneladas para 599 milhões de toneladas. “Liderada por importações mais altas do que o esperado pela China, a previsão para o comércio mundial é elevada em 5 milhões de toneladas para 420 milhões de toneladas na safra, um aumento de 26 milhões na comparação com a temporada anterior”, acrescentou o IGC.

A estimativa para a produção mundial de soja foi ajustada de 362 milhões para 361 milhões de toneladas. A previsão de consumo acompanhou a redução e ficou em 366 milhões de toneladas, ante 367 milhões de toneladas do relatório anterior. Os estoques da oleaginosa, por sua vez, foram reduzidos de 47 milhões para 46 milhões de toneladas.

Já a expectativa para a produção global de milho passou de 1,140 bilhão para 1,134 bilhão de toneladas. Quanto ao consumo, a projeção foi reduzida em 1 milhão de toneladas, para 1,165 bilhão de toneladas. A estimativa para os estoques de passagem foi cortada de 271 milhões de toneladas para 267 milhões de toneladas.

Quanto ao trigo, a estimativa de produção foi mantida em 774 milhões de toneladas, enquanto o consumo subiu de 763 milhões para 766 milhões de toneladas. Com isso, a previsão de estoques finais foi reduzida, de 289 milhões para 285 milhões de toneladas.

O Conselho Internacional de Grãos (IGC, na sigla em inglês), que tem sede em Londres, elevou sua previsão de produção global de grãos na temporada 2021/22 em 5 milhões de toneladas, de 2,287 bilhões para 2,292 bilhões de toneladas, de acordo com relatório mensal divulgado nesta quinta-feira, 27.

Caso confirmado, o volume total será 3% maior do que o estimado para a temporada anterior. O aumento foi motivado principalmente por uma maior expectativa para a produção de milho, disse o IGC. “Uma maior projeção para a produção global compensa parcialmente os estoques iniciais mais apertados”, comentou o conselho no relatório.

A estimativa para consumo mundial também foi aumentada de 2,286 bilhões de toneladas para 2,297 bilhões de toneladas, enquanto a previsão de estoques foi cortada de 609 milhões de toneladas para 595 milhões de toneladas. “Com o consumo aumentando em 10 milhões de toneladas, principalmente em uma projeção de aumento de grãos destinados para alimentação, os estoques finais foram cortados em 15 milhões de toneladas no mês, o menor nível de 7 anos”, acrescentou o IGC.

Para a soja em 2021/22, o IGC manteve a previsão de produção em 383 milhões de toneladas. O consumo foi ajustado de 379 milhões para 378 milhões de toneladas, enquanto os estoques foram elevados de 50 milhões de toneladas para 51 milhões de toneladas.

Quanto ao milho, o conselho elevou a estimativa produção de 1,192 bilhão para 1,194 bilhão de toneladas. O consumo foi ajustado de 1,199 bilhão para 1,200 bilhão de toneladas, enquanto os estoques foram cortados de 264 milhões para 261 milhões de toneladas.

De trigo, o IGC manteve a expectativa de produção em 790 milhões de toneladas. A previsão de consumo foi elevada de 782 milhões para 787 milhões de toneladas, enquanto a estimativa de estoques permaneceu em 298 milhões de toneladas.

Safra de grãos em 2020/21

Em relação à safra 2020/21, o IGC cortou a sua previsão de produção global de grãos na temporada em 6 milhões de toneladas, de 2,226 bilhões para 2,220 bilhões de toneladas. Apesar da redução, caso confirmado, o volume total será 1,6% maior do que o estimado para a temporada anterior. Segundo o conselho, a redução foi motivada principalmente por uma menor expectativa para a produção de milho no Brasil.

Em relação ao consumo mundial de grãos no ciclo atual, a entidade elevou sua estimativa de 2,235 bilhões para 2,237 bilhões de toneladas. Diante do maior consumo esperado, a previsão de estoques finais foi reduzida de 609 milhões de toneladas para 599 milhões de toneladas. “Liderada por importações mais altas do que o esperado pela China, a previsão para o comércio mundial é elevada em 5 milhões de toneladas para 420 milhões de toneladas na safra, um aumento de 26 milhões na comparação com a temporada anterior”, acrescentou o IGC.

A estimativa para a produção mundial de soja foi ajustada de 362 milhões para 361 milhões de toneladas. A previsão de consumo acompanhou a redução e ficou em 366 milhões de toneladas, ante 367 milhões de toneladas do relatório anterior. Os estoques da oleaginosa, por sua vez, foram reduzidos de 47 milhões para 46 milhões de toneladas.

Já a expectativa para a produção global de milho passou de 1,140 bilhão para 1,134 bilhão de toneladas. Quanto ao consumo, a projeção foi reduzida em 1 milhão de toneladas, para 1,165 bilhão de toneladas. A estimativa para os estoques de passagem foi cortada de 271 milhões de toneladas para 267 milhões de toneladas.

Quanto ao trigo, a estimativa de produção foi mantida em 774 milhões de toneladas, enquanto o consumo subiu de 763 milhões para 766 milhões de toneladas. Com isso, a previsão de estoques finais foi reduzida, de 289 milhões para 285 milhões de toneladas.

Canal Rural © 2020 Todos os direitos reservados.

Canal Rural © 2020 Todos os direitos reservados.