Implante contraceptivo e chip hormonal: conheça e entenda as diferenças

Além de apresentarem uma eficácia acima de 99%, esses implantes possuem ainda outras vantagens bastante interessantes.

Já imaginou um anticoncepcional que você não precisa lembrar de tomar todos os dias, no mesmo horário? Essa opção já é uma realidade, apesar de pouco conhecida e pouco difundida. Os anticoncepcionais em forma de implante funcionam exatamente como as pílulas anticoncepcionais orais, porém são dispositivos colocados sob a pele da mulher.

Eles liberam gradualmente os hormônios necessários para evitar a gravidez, como se a mulher estivesse tomando a pílula diariamente, sempre no mesmo horário. Além de apresentarem uma eficácia acima de 99%, esses implantes possuem ainda outras vantagens bastante interessantes.

O que é um anticoncepcional implantado subcutâneo?

Também conhecido como implante contraceptivo, é um pequeno bastão flexível que se insere sob a parte interna da pele do braço, após uma anestesia local e através de uma intervenção rápida e indolor. Dentro desse pequeno dispositivo, há uma determinada dose de etonogestrel, hormônio capaz de impedir a maturação do óvulo e sua liberação (ovulação). Além disso, a substância também torna o muco cervical (secreção líquida produzida naturalmente pelo colo do útero) mais espesso, tornando ainda mais difícil o espermatozoide chegar ao óvulo.

Esse efeito dura três anos e, se a mulher mudar de ideia, basta retirar o implante com auxílio profissional. Se, após esse período, ela optar por continuar a usar o mesmo método, pode solicitar a inserção imediata de outro implante e a proteção contraceptiva não é interrompida. Durante esse período é aconselhável fazer um check-up ginecológico no mínimo anual e, se necessário, as consultas podem ser semestrais.

Uma de suas grandes vantagens é o fato de ser um método muito seguro que, uma vez inserido, não é afetado por erros ou esquecimentos da paciente. No entanto, deve ser inserido e posteriormente retirado sempre por um médico. O contraceptivo subcutâneo (nome que se deve ao fato de ele ser implantado abaixo da camada da pele) é extremamente eficaz e pode ser aplicado em mulheres férteis de qualquer faixa etária.

O ginecologista obstetra e diretor médico da Maternidade Brasília, Evandro Oliveira, explica que o anticoncepcional implantado é produzido com o hormônio etonogestrel. “É um contraceptivo subcutâneo na forma de implante, aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para esta finalidade: evitar a gravidez. Vale lembrar que ele precisa ser prescrito pelo médico, que vai avaliar se a mulher tem condições clínicas de usar este tipo de tratamento”, diz o médico. Pesquisas já constataram que este método do implante anticoncepcional se mostra mais eficaz do que a própria laqueadura e a vasectomia, que são métodos cirúrgicos e mais difíceis de se reverter. Afinal, a mulher que usa o implante anticoncepcional pode optar, a qualquer momento, pela retirada do implante se decidir engravidar. “O implante contraceptivo já existe há mais de 20 anos e tem como vantagens a menor dosagem de hormônio e o fato de não haver risco de esquecimento, além de não causar dor no estômago (quadro que pode acometer algumas mulheres no uso do contraceptivo oral)”, completa Evandro.

Por Redação