Marqueteiro da campanha de Bolsonaro diz que Hans River mentiu

#infocoweb_cabecalho {
display: inline-block;
margin-top: -75px;
position: absolute;
right: 0;
}
figure.wp-caption{display:none!important;}

Hans River arrow-options
Jane de Araújo/Agência Senado

Hans River prestou falso testemunho em comissão

O marqueteiro Marcos Aurélio Carvalho, dono da AM4 Brasil Inteligência Digital, empresa que prestou serviços para a campanha do presidente Jair Bolsonaro , disse que o ex-funcionário da Yacows Hans River do Rio Nascimento mentiu em seu depoimento à CPI das Fake News . Ao participar de audiência nesta quarta-feira (4), Carvalho defendeu o ex-funcionário seja processado por falso testemunho e se solidarizou à jornalista Patrícia Campos Mello, do jornal Folha de S. Paulo .

Em seu depoimento no dia 11 de fevereiro, River disse que Patrícia entrou em contato com ele para obter informações sobre disparos em massa de mensagens em campanhas eleitorais em troca de sexo. Essa prática é proibida pela lei eleitoral. Em seu relato, o ex-funcionário disse que ela se insinuou sexualmente a ele.

Leia também: Janaina: se fala de testemunha em CPI fosse contra Bolsonaro “acusariam racismo”

A fala de River fez Patrícia ser alvo de comentários e acusações machistas nas redes sociais, inclusive do presidente Jair Bolsonaro e de um de seus filhos, o deputado Eduardo Bolsonaro.

À comissão, River também disse não ter feito disparos para a campanha de Bolsonaro, mas para a de candidatos do PT.

Leia também: Bolsonaro questiona críticas a testemunha que mentiu na CPI das Fake News

O sócio da AM4 Brasil foi chamado a depor na comissão a pedido do deputado Rui Falcão (PT-SP) após suspeitas de ter contratado a Yacows para fazer os disparo em massa pelo WhatsApp. No depoimento, Carvalho negou as acusações. “Nós condenamos isso veementemente”, disse.

Carvalho chegou a integrar a equipe do governo de transição de Bolsonaro, mas se afastou antes da posse. A AM4 recebeu R$ 650 mil da campanha do presidente.

Fonte: IG Política