Mendes diz temer embargos, mas evita fazer crticas a Bolsonaro

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-language:EN-US;}

O governador Mauro Mendes (DEM) afirmou que Mato Grosso deve ser prejudicado caso se confirme a ameaça de empresas, que avaliam suspender a importação do couro nacional em função das queimadas

 

A possibilidade começou a circular na semana passada após um comunicado do Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

 

“Confirmado até agora, temos o embargo do couro, produzido por algumas empresas. Isso irá afetar significativamente Mato Grosso, porque temos o maior rebanho, então, certamente o maior produtor de couro do País”, disse.

 

Segundo o governador, entretanto há outras sanções internacionais que seriam ainda mais “catastróficas” para Mato Grosso.

 

“O embargo mais perigoso é o de mercado ligado ao compliance de algumas empresas. E tem rumores de outros embargos. Mas não dá, neste momento, para nos pronunciarmos sobre, porque com o mundo da internet tomando conta da comunicação, a gente nunca sabe o que é verdade ou mentira”, afirmou.

 

Confirmado até agora, temos o embargo do coro, produzido por algumas empresas. Isso irá afetar significativamente Mato Grosso

Na semana passada, o democrata editou um decreto suspendendo, até o dia 30 de novembro, a emissão para autorização de desmatamento e queimadas no Estado.

 

Segundo ele, a partir de agora, o Executivo vai adotar uma “política de tolerância zero” em relação ao desmatamento ilegal em Mato Grosso.

 

Para tanto, espera ajuda do Governo Federal, por meio das Forças Armadas e de recursos para o caixa do Estado.

 

“Precisamos, sim, de ajuda. Nossa realidade não é diferente de muitos Estados brasileiros. Temos dificuldade de caixa, de logística. O Estado é muito grande. Esses focos de incêndios acontecem em diversas regiões, dentro de reserva indígena, onde não podemos entrar. Então, precisamos de recursos federais e em Mato Grosso queremos, sim, ajuda de quem quiser ajudar. Toda e qualquer ajuda é bem-vinda”, disse.

 

Sem críticas

 

Mendes evitou tecer críticas aos comentários do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Nas últimas semanas, ele trocou farpas, via imprensa e redes sociais, com o presidente da França, Emmanuel Macron, e reagiu às críticas internacionais por conta do episódio das queimadas na Amazônia.

 

“Eu procuro tratar esse tema com cautela e responsabilidade que ele tem. As palavras têm que ser comedidas, os temas têm que ter profundidade e a responsabilidade do cargo que você ocupa. Não cabe a mim ficar julgando as posições de outras autoridades públicas do nosso País. Cabe a mim cuidar do nosso Estado e é o que tenho feito”, resumiu.

 

Leia mais sobre o assunto:

 

Mendes defende acesso às riquezas de terras indígenas em MT

 

Mendes cita “tolerância zero” e diz que infratores irão “pagar caro”

 

Mendes defende “blindagem” e diz que embargo seria “catástrofe”