Mendes rebate Pinheiro sobre dívidas do Estado com a Prefeitura

Por Esportes & Notícias

O governador Mauro Mendes (DEM) não deixou por menos a acusação do prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, de que o Estado deve R$ 60 milhões ao Município. Em entrevista, na tarde desta quinta-feira (28), o democrata disse que o gestor “está mentindo” e não é digno de confiança. Rebateu, ainda, que o atrito entre ambos não é questão de política, mas de verdade.
Mais cedo, Pinheiro criticou o governador por mover uma ação contra a prefeitura alegando que a equipe da Secretaria de Estado de Saúde (SES) foi impedida de vistoriar os leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) destinados aos pacientes de covid-10. Disse que os ataques são constantes, gratuitos e inoportunos. Classificou, ainda, a medida como uma atitude política para criar cenário favorável aos candidatos do partido.

“Não dá para confiar em um prefeito que fala uma coisa e escreve outra. O prefeito fala conversa fiada, ele tem que falar daquilo que importa. Vamos fazer um embate de números, de verdade, não um embate de trololó. É muito ruim, num momento em que as pessoas estão morrendo, ele vai lá e desabilita 40 leitos”, rebateu o governador.

Na entrevista, Mendes afirmou que a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) encaminhou documento ao Estado informando o plano de fechar 40 UTI’s do Pronto Socorro Municipal (PSM) em junho. Os leitos foram financiados por dinheiro Federal e tinham que funcionar entre abril e julho, no entanto o documento aponta fechamento antes do prazo.

Indagado sobre a dívida de R$ 60 milhões, Mendes disse que a pendência não existe. “Não devemos isso a ele. Ele está mentindo”, frisou.

Ainda nesta tarde, Mendes anunciou a criação de mais 30 leitos de UTI no Hospital Metropolitano de Várzea Grande exclusivos para pacientes de covid-19. A com a medida, o hospital terá ao todo 70 leitos.