Milho: comprometimento da safra em MS preocupa e pode pressionar custo da avicultura

O comprometimento no desenvolvimento da segunda safra de milho 2020/2021, provocado pelo atraso na colheita da soja e pelas condições inadequadas para o plantio, deve manter sustentado o preço do grão e pode pressionar o custo de outras atividades do agronegócio sul-mato-grossense, como a avicultura e suinocultura. As conclusões são do mais recente levantamento do Sistema de Informação Geográfica do Agronegócio (Siga-MS), projeto realizado pela Aprosoja-MS e Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro) por meio do Fundems, e divulgadas em nota pela Semagro.

Conforme o Boletim circular 408 do Siga-MS, referente à terceira semana de maio, da segunda safra 2020/2021, em Mato Grosso do Sul, o fim de semana passado foi marcado por pancadas de chuva no estado, entre 2 e 100 milímetros, volume de precipitação considerado insuficiente para suprir a necessidade hídrica da cultura.

“Com isso, o desenvolvimento do milho está sendo afetado gradativamente em algumas lavouras; já podem ser observadas espigas não granadas (sem grãos)”, informa o boletim, que mantém estimativa de 2 milhões de hectares de lavoura de milho no estado, produtividade média de 75 sacas por hectare, com produção de 9 milhões de toneladas.

“Temos um estimativa de crescimento de área de 5,7% nesta safra, mas tivemos um elevado percentual de produção do grão plantado fora do zoneamento climático, o que tem aumentado muito o risco para essa cultura e temos perdas significativas em relação à produtividade, já consolidadas em algumas regiões. A partir da próxima semana, as equipes da Aprosoja vão a campo dimensionar dessa perda”, comenta o secretário Jaime Verruck, da Semagro.

Os dados sobre desenvolvimento inadequado do grão em diversas regiões do estado preocupam o governo. “Existe uma demanda muito forte de crescimento do consumo de milho, portanto, os preços vão ficar sustentados. Nos preocupa essa pressão de custo que vamos ter sobre a avicultura, suinocultura e a própria bovinocultura, dado que o milho está realmente num preço elevado. Isso ocorre não somente em Mato Grosso do Sul, mas no Brasil. Devemos ter uma quebra de safra substancial em MT, MS, PR e GO”, finaliza Verruck.

O comprometimento no desenvolvimento da segunda safra de milho 2020/2021, provocado pelo atraso na colheita da soja e pelas condições inadequadas para o plantio, deve manter sustentado o preço do grão e pode pressionar o custo de outras atividades do agronegócio sul-mato-grossense, como a avicultura e suinocultura. As conclusões são do mais recente levantamento do Sistema de Informação Geográfica do Agronegócio (Siga-MS), projeto realizado pela Aprosoja-MS e Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro) por meio do Fundems, e divulgadas em nota pela Semagro.

Conforme o Boletim circular 408 do Siga-MS, referente à terceira semana de maio, da segunda safra 2020/2021, em Mato Grosso do Sul, o fim de semana passado foi marcado por pancadas de chuva no estado, entre 2 e 100 milímetros, volume de precipitação considerado insuficiente para suprir a necessidade hídrica da cultura.

“Com isso, o desenvolvimento do milho está sendo afetado gradativamente em algumas lavouras; já podem ser observadas espigas não granadas (sem grãos)”, informa o boletim, que mantém estimativa de 2 milhões de hectares de lavoura de milho no estado, produtividade média de 75 sacas por hectare, com produção de 9 milhões de toneladas.

“Temos um estimativa de crescimento de área de 5,7% nesta safra, mas tivemos um elevado percentual de produção do grão plantado fora do zoneamento climático, o que tem aumentado muito o risco para essa cultura e temos perdas significativas em relação à produtividade, já consolidadas em algumas regiões. A partir da próxima semana, as equipes da Aprosoja vão a campo dimensionar dessa perda”, comenta o secretário Jaime Verruck, da Semagro.

Os dados sobre desenvolvimento inadequado do grão em diversas regiões do estado preocupam o governo. “Existe uma demanda muito forte de crescimento do consumo de milho, portanto, os preços vão ficar sustentados. Nos preocupa essa pressão de custo que vamos ter sobre a avicultura, suinocultura e a própria bovinocultura, dado que o milho está realmente num preço elevado. Isso ocorre não somente em Mato Grosso do Sul, mas no Brasil. Devemos ter uma quebra de safra substancial em MT, MS, PR e GO”, finaliza Verruck.

Canal Rural © 2020 Todos os direitos reservados.

Canal Rural © 2020 Todos os direitos reservados.