MT tem 31 pontos de manifestação de caminhoneiros

Trinta e um pontos de protesto são registrados na manhã desta sexta-feira (25) no quinto dia de manifestação de caminhoneiros nas rodovias federais de Mato Grosso. Os protestos ocorrem na BR-070, BR-174, BR-158, BR-364, BR-163, MT-358 e MT-480.

O protesto começou na segunda-feira (21) contra o reajuste no preço do combustível anunciado pela Petrobrás.

Veja os principais reflexos da paralisação no estado:

Combustível

Por falta de combustível, todos os três postos localizados em Tapurah, a 414 km de Cuiabá, fecharam as portas desde a tarde de quinta-feira (24).

Em Cuiabá e Várzea Grande, na região metropolitana da capital, há unidades fechadas e outras com apenas uma das opções na bomba (etanol, gasolina ou diesel). Também há relato de falta de combustível em postos de Barra do Garças, Pontal do Araguaia, Primavera do Leste, Nova Xavantina, Diamantino e Juína.

Desde quarta-feira (23), com receio de ficar sem combustível, alguns consumidores fazem filas nos postos e abasteceram galões para estocarem em casa.

Transporte público

A frota do transporte coletivo de Cuiabá e Várzea Grande, na região metropolitana da capital, foi reduzida em 50{ce2551fde2e1a4b26c8301536bdeec1ec9d30bdaca74ae8a9a9dcfce14bbd35b} nesta sexta-feira (25) por falta de combustível, segundo anúncio das prefeituras. A medida foi tomada em consequência da greve dos caminhoneiros pelo preço do combustível e outras cobranças.

Segurança

Com a possibilidade de falta de combustível, a Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp) informou nesta sexta-feira (25) ter adotado algumas medidas, como a suspensão de viagens e uso de veículos para serviços das entidades ligadas à pasta.

Educação

A paralisação dos caminhoneiros nas rodovias em Mato Grosso afetou o transporte escolar de Primavera do Leste, a 239 km de Cuiabá, entre outros setores.

Já em Tangará da Serra, segundo a Secretaria Municipal de Educação e Cultura, a suspensão começou na quinta-feira (24), por causa da falta de combustíveis em decorrência da paralisação nas rodovias.

Coleta de lixo

A Secretaria de Comunicação Social de Várzea Grande informou que os serviços essenciais de coleta de lixo e de transporte coletivo vão sofrer uma redução por causa da falta principalmente de combustível e de insumos necessários para a manutenção dos serviços de transporte de passageiros e de coleta de lixo, considerados essenciais pela administração pública.

Em Sinop, a coleta de lixo também foi prejudicada em alguns bairros. A prefeitura informou que, por causa dos bloqueios dos caminhoneiros, os caminhões da empresa que faz o transporte do lixo coletado para o aterro no Distrito de Primaverinha ficam impedidos de trafegar pela rodovia.

Serviços públicos

O governo de Mato Grosso, o Tribunal de Justiça e a Defensoria Pública decretaram a suspensão do expediente nesta sexta-feira (25), por causa da greve dos caminhoneiros. No Judiciário, os prazos processuais devem ser prorrogados para a terça-feira (29).

A medida também foi seguida pelas prefeituras de Cuiabá, Primavera do Leste e Sorriso. Nesses municípios, o expediente só deve ser regularido na próxima segunda-feira (28).

Energia e abastecimento

A concessionária responsável pelos serviços públicos de água e esgoto de Cuiabá anunciou nesta sexta-feira (25) que, por causa da greve dos caminhoneiros que já entrou no 5º dia, foram suspensos pequenos reparos no sistema de abastecimento, por falta de combustível para o deslocamento das equipes.

Alimentação

Com a greve dos caminhoneiros, os estoques de mercadorias da Central de Abastecimento de Mato Grosso (Ceasa), em Cuiabá, estão chegando ao fim. Nesta sexta-feira (25), algumas bancas nem abriram porque não têm mercadorias a oferecer aos clientes.

Segundo a Associação dos Permissionários do Terminal Atacadista de Cuiabá (Apetac), não tem mais laranja e melão nas bancas e para distribuir aos mercados. Além disso, a batata-inglesa está escassa.

Frigoríficos

Cerca de 80{ce2551fde2e1a4b26c8301536bdeec1ec9d30bdaca74ae8a9a9dcfce14bbd35b} das indústrias frigoríficas do estado paralisaram as atividades no estado em decorrência da greve dos caminhoneiros. Segundo o Sindicato das Indústrias de Frigoríficos do Estado de Mato Grosso (Sindifrigo), por falta de transporte, não é possível retirar os bois das fazendas mato-grossenses.

Por dia, aproximadamente 16 mil cabeças deixarão de ser abatidas em Mato Grosso.

Sem jogo

A Federação Mato-grossense de Futsal (FMF) decidiu adiar a rodada de jogos da Copa Centro América de Futsal marcada para o fim de semana por causa dos protestos dos caminhoneiros.

De acordo com a entidade, existe a possibilidade de faltar combustível, o que poderia afetar o deslocamento dos atletas dos times.

As partidas seriam em Sorriso, Colíder, Alto Paraguai, Confresa, Juína e Sapezal.

Veja os locais onde há protestos:

Cuiabá, BR-070 km 504

Cuiabá, BR-364 km 398

Campo Verde, BR-070 km 383

Jaciara, BR-364, km 269

Rondonópolis, BR-364 km 200

Rondonópolis, BR-163 km 119

Alto Garças, BR-364, km 56

Cáceres, BR-070, km 735

Diamantino, BR-364 km 613

Nova Mutum, BR-163 km 593

Campo Novo do Parecis, BR-364, km 878

Primavera do Leste, BR-070 km 276

Primavera do Leste, BR-070 km 282

Campo Verde, BR- 070, km 376

Lucas do Rio Verde, BR-163, km 691

Lucas do Rio Verde, BR-163, km 686

Sinop, BR-163, km 821

Sorriso, BR-163, km 746

Sorriso, BR-163, km 750

Guarantã do Norte, BR-163, km 1067

Matupá, BR- 163, km 1042

Pontes e Lacerda, BR-174 km 288

Campos de Júlio, BR-364 km 1191

Sapezal, BR-364 km 1120

Comodoro, BR-174 km 488

Barra do Garças, BR-070 km 005

Água Boa, BR-158, km 564

Confresa, BR-158, km 130

Nova Xavantina, BR-158, km 650

MT-358, em Tangará da Serra

MT-480, em Tangará da Serra

No trecho sob concessão da Rota do Oeste, concessionária que administra as rodovias de Mato Grosso, em todos os locais está autorizada a passagem de veículos de passeio, ônibus, ambulância e de carga viva e perecíveis.

 

Por G1-MT