“Não atingimos o pico e comportamento das pessoas deve ajudar ou aumentar casos”

“Não chegamos no pico e a situação tende a piorar”. Essa foi a avaliação do secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, durante live na manhã desta sexta-feira (29), com os jornalistas.

Gilberto foi indagado sobre  a quantidade de pessoas que continuam andando pelas ruas sem máscaras e, se a situação não tende a piorar.

“O custo da população evitar uma aglomeração e andar de máscara qual é? Então não dá pra transferir para o Poder Público, as Prefeituras e ao Governo do Estado e Federal a responsabilidade daquilo que a população pode fazer”, disse.

Para Gilberto, o comportamento do ser humano é que vai determinar o maior ou menor número de casos da doença, além de quantos pacientes vão precisar de assistência hospitalar.

“Neste momento está se discutindo a flexibilização do isolamento social. Eu acho que também não é problema nenhum em ter uma loja aberta pra você atender um cliente para comprar um sapato. Pode fazer reunião com 20 e com 50 pessoas e não pode entrar em uma loja pra comprar um sapato? Pode. Mas devemos ter rigidez nas medidas protocoladas, por exemplo”, finalizou.