Navio com 30 mil toneladas de milho chega ao porto de Imbituba

O navio Marine Prince, carregado com 30 mil toneladas de milho, chegou ao porto de Imbituba, em Santa Catarina, neste sábado, 12, segundo a administração no porto. De acordo com informações obtidas pelo Canal Rural, a carga veio da Argentina.

Outras 150 mil toneladas devem chegar também nos próximos dias, vindas da Argentina, mas com destino o porto de Paranaguá, no Paraná.

Importação de milho

O chefe do departamento de Grãos da Datagro, Flávio França, afirma que o cenário de escassez de milho no mercado brasileiro vem se desenhando desde o fim do ano passado. O atraso no ciclo da soja fez com que 40% da segunda safra fosse cultivada fora da janela ideal, o que exigiria chuva regular em abril e maio, o que não é normal e não aconteceu.

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estima que a safra 2020/21 do cereal será 6% menor do que a anterior. França vê o corte promovido pela entidade como muito forte, mas diz que números mais precisos devem ser divulgados conforme a colheita avança.

A consequência direta da produção menor é clara aumento da importação e corte nos estoques de passagem e nas exportações.

“É um ano bem difícil para o consumidor, diante dos preços elevados. Isso acontece num momento de alta de preços no mercado internacional, por conta dos recentes problemas na safra americana”, diz.

Dessa forma, ele vê um cenário de preços firmes até o ano que vem. “Nos últimos dias, tivemos um preço um pouco mais fraco por conta das primeiras notícias da colheita. É natural que, mesmo com safra menor, a entrada física provoque alguma pressão. Mas isso não deve durar muito”, pontua.

Para normalizar o abastecimento interno, França afirma que o Brasil precisará ter uma safra de verão cheia e uma segunda safra também.

O navio Marine Prince, carregado com 30 mil toneladas de milho, chegou ao porto de Imbituba, em Santa Catarina, neste sábado, 12, segundo a administração no porto. De acordo com informações obtidas pelo Canal Rural, a carga veio da Argentina.

Outras 150 mil toneladas devem chegar também nos próximos dias, vindas da Argentina, mas com destino o porto de Paranaguá, no Paraná.

Importação de milho

O chefe do departamento de Grãos da Datagro, Flávio França, afirma que o cenário de escassez de milho no mercado brasileiro vem se desenhando desde o fim do ano passado. O atraso no ciclo da soja fez com que 40% da segunda safra fosse cultivada fora da janela ideal, o que exigiria chuva regular em abril e maio, o que não é normal e não aconteceu.

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estima que a safra 2020/21 do cereal será 6% menor do que a anterior. França vê o corte promovido pela entidade como muito forte, mas diz que números mais precisos devem ser divulgados conforme a colheita avança.

A consequência direta da produção menor é clara aumento da importação e corte nos estoques de passagem e nas exportações.

“É um ano bem difícil para o consumidor, diante dos preços elevados. Isso acontece num momento de alta de preços no mercado internacional, por conta dos recentes problemas na safra americana”, diz.

Dessa forma, ele vê um cenário de preços firmes até o ano que vem. “Nos últimos dias, tivemos um preço um pouco mais fraco por conta das primeiras notícias da colheita. É natural que, mesmo com safra menor, a entrada física provoque alguma pressão. Mas isso não deve durar muito”, pontua.

Para normalizar o abastecimento interno, França afirma que o Brasil precisará ter uma safra de verão cheia e uma segunda safra também.

Canal Rural © 2020 Todos os direitos reservados.

Canal Rural © 2020 Todos os direitos reservados.