Nova linha de transmissão amplia exportação de energia do NE para o Centro-Sul

NICOLA PAMPLONA
RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) – Em um esforço para mostrar avanços nas medidas de enfrentamento à crise energética, o governo participa neste sábado (11) de cerimônia de início das operações de uma linha de transmissão que vai ampliar a capacidade de exportação de energia da região Nordeste para o restante do país.


Operada pela Taesa (Transmissora Aliança de Energia Elétrica), a linha de transmissão Janaúba iniciou as operações no dia 1º de setembro, com cinco meses de antecedência em relação ao prazo previsto no contrato assinado em 2015.

O projeto de R$ 1 bilhão tem capacidade para transportar 1,6 mil MW (megawatts), volume suficiente para o consumo de cinco milhões de pessoas. Segundo o MME (Ministério de Minas e Energia), sua inauguração contribui para a segurança energética do país.

A inauguração da linha é parte de uma série de eventos planejada pelo MME para as próximas semanas relacionados a medidas de aumento da capacidade de geração de energia do país, como o início das operações da térmica GNA 1, no Porto do Açu, na região Norte-Fluminense, com capacidade para gerar 1.338 MW.

A intenção é mostrar avanço no enfrentamento à crise diante de críticas em relação à demora na adoção de medidas mais impopulares, como o incentivo à economia de energia -estratégia batizada de negacionismo energético por especialistas do Instituto Clima e Sociedade.

A cerimônia deste sábado será acompanhada pelo ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque e pelos diretores-gerais da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), André Pepitone, e do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), Luiz Carlos Ciocchi.

A linha de transmissão Janaúba foi leiloada em 2015 para ampliar a capacidade de transferência de energia entre o Nordeste e o Centro-Sul, permitindo o maior aproveitamento do parque gerador naquela região, que se desenvolveu nos últimos anos com a construção de usinas eólicas e solares.

O empreendimento conecta os sistemas de transmissão de energia elétrica dos estados da Bahia e Minas Gerais, com duas linhas de transmissão e três subestações, em um percurso de 542 quilômetros de extensão.

Com o agravamento da crise hídrica nas bacias do Centro-Sul, o sistema elétrico deve demandar mais energia do Nordeste enquanto a seca persistir: nesta quinta (9), esta região exportou 8,3 mil MW médios para o restante do país; um ano antes, importou 4,2 mil MW médios.

Considerados a principal caixa d’água do setor, os reservatórios das regiões Sudeste e Centro-Oeste tinham na quinta 19,33% de sua capacidade de armazenamento de energia. No Nordeste, eram 46,95%.
“Janaúba já nasce com o importante papel de transmitir a energia renovável gerada no Nordeste para o Sudeste e o Centro-Oeste, contribuindo com a mitigação dos efeitos do risco hidrológico e trazendo fôlego e segurança ao Sistema Interligado Nacional”, disse, em nota, o presidente-executivo da Taesa, André Moreira.

A obra consumiu mais de 30 mil metros cúbicos de concreto, mais de 12 mil toneladas de estrutura, mais de 12,5 mil toneladas de cabos condutores. Pela sua operação, a Taesa receberá uma receita anual de R$ 213 milhões.

Em paralelo ao esforço para ampliar a capacidade de geração, o governo lançou na semana passada o Programa de Incentivo à Redução Voluntária do consumo de energia elétrica, que vai vigorar de setembro de 2021 até o final deste ano, concedendo bônus de R$ 50 a cada 100 kWh reduzidos.

Um outro programa voltado para o deslocamento do consumo por grandes indústrias está sendo coordenado pelo ONS, que aguarda propostas de empresas interessadas em receber ressarcimento pela redução da demanda em horários de pico.

Nesta quinta, a Creg (Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética) aprovou a contratação de usinas térmicas para reforçar a recuperação dos reservatórios das hidrelétricas brasileiras também a partir de 2022, alegando que os reservatórios devem iniciar o ano em níveis ainda baixos.

Especialistas do setor temem ainda mais pressão sobre as contas de luz, já que as usinas térmicas tendem a ser mais caras do que fontes renováveis.

One thought on “Nova linha de transmissão amplia exportação de energia do NE para o Centro-Sul

  • setembro 11, 2021 em 10:40 am
    Permalink

    I loved as much as you’ll receive carried out right here.

    The sketch is attractive, your authored subject matter stylish.
    nonetheless, you command get got an shakiness over that you wish be delivering
    the following. unwell unquestionably come further formerly again as exactly the same
    nearly very often inside case you shield this increase.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *