Novo secretário de SP decide manter Casas da Agricultura abertas

O novo secretário de Agricultura e Abastecimento do estado de São Paulo, Itamar Borges, interrompeu o processo de fechamento das Casas da Agricultura. Segundo ele, a decisão sobre o destino das unidades será discutido com o setor. O anúncio foi feito na sexta-feira, 4, durante uma reunião com representantes da Associação Paulista de Extensão Rural (Apaer).

“Existia um processo em andamento de reestruturação que estava trazendo de, aproximadamente, 600 (Casas da Agricultura) que existem hoje para 150”, afirmou o secretário na reunião. “Pedi para interromper este processo, já solicitei de volta, para que nós possamos, juntos, depois de ouvir todas as entidades, todos os colaboradores das nossas coordenadorias e também todo setor produtivo, receber as sugestões da melhor forma de dar sequência nisso”, acrescentou.

Desde agosto do ano passado, quando a Secretaria de Agricultura era comandada por Gustavo Junqueira, a Apaer e outras entidades do agronegócio paulista vêm se mobilizando para sensibilizar o estado no sentido de manter a estrutura das Casas da Agricultura.

O presidente da Apaer, Antônio Marchiori, disse em nota que “a permanência das Casas da Agricultura, que é uma referência para o agricultor, principalmente da agricultura familiar, e porta de entrada dele à Secretaria de Agricultura, é fundamental, porque extensão rural se faz olho no olho”.

“Uma auditoria feita pelo Banco Mundial mostrou que associações de produtores que tiveram apoio de projetos de extensão rural, em um período de cinco anos, quase quadruplicaram seu faturamento quando comparadas com organizações que não puderam contar com o apoio da extensão rural”, argumentou Marchiori.

A associação dos extensionistas também defendeu mais recursos para a secretaria, hoje o segundo pior orçamento para agricultura do Brasil, segundo levantamento feito pela entidade, e sinalizou para a importância de a secretaria retomar a marca Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati), substituída por Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável (CDRS).

Marchiori sugeriu, na ocasião, a criação de uma lista tríplice para escolher diretores das regionais e defendeu a retomada de projetos, como o de Microbacias.

Extensão Rural 7.0

Na reunião, a Apaer entregou ao secretário a proposta, chamada de “Extensão Rural 7.0”, que sugere inovações por meio do uso estratégico de ferramentas digitais, para facilitar a transição agroecológica e fortalecer os sistemas de produção orgânica de forma inclusiva, cultivando as relações de confiança.

O projeto foi construído com a contribuição de especialistas, lideranças rurais e também por professores da Unicamp, UFSCar, Unesp e USP e está disponível para consulta no site da entidade.

O novo secretário de Agricultura e Abastecimento do estado de São Paulo, Itamar Borges, interrompeu o processo de fechamento das Casas da Agricultura. Segundo ele, a decisão sobre o destino das unidades será discutido com o setor. O anúncio foi feito na sexta-feira, 4, durante uma reunião com representantes da Associação Paulista de Extensão Rural (Apaer).

“Existia um processo em andamento de reestruturação que estava trazendo de, aproximadamente, 600 (Casas da Agricultura) que existem hoje para 150”, afirmou o secretário na reunião. “Pedi para interromper este processo, já solicitei de volta, para que nós possamos, juntos, depois de ouvir todas as entidades, todos os colaboradores das nossas coordenadorias e também todo setor produtivo, receber as sugestões da melhor forma de dar sequência nisso”, acrescentou.

Desde agosto do ano passado, quando a Secretaria de Agricultura era comandada por Gustavo Junqueira, a Apaer e outras entidades do agronegócio paulista vêm se mobilizando para sensibilizar o estado no sentido de manter a estrutura das Casas da Agricultura.

O presidente da Apaer, Antônio Marchiori, disse em nota que “a permanência das Casas da Agricultura, que é uma referência para o agricultor, principalmente da agricultura familiar, e porta de entrada dele à Secretaria de Agricultura, é fundamental, porque extensão rural se faz olho no olho”.

“Uma auditoria feita pelo Banco Mundial mostrou que associações de produtores que tiveram apoio de projetos de extensão rural, em um período de cinco anos, quase quadruplicaram seu faturamento quando comparadas com organizações que não puderam contar com o apoio da extensão rural”, argumentou Marchiori.

A associação dos extensionistas também defendeu mais recursos para a secretaria, hoje o segundo pior orçamento para agricultura do Brasil, segundo levantamento feito pela entidade, e sinalizou para a importância de a secretaria retomar a marca Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati), substituída por Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável (CDRS).

Marchiori sugeriu, na ocasião, a criação de uma lista tríplice para escolher diretores das regionais e defendeu a retomada de projetos, como o de Microbacias.

Extensão Rural 7.0

Na reunião, a Apaer entregou ao secretário a proposta, chamada de “Extensão Rural 7.0”, que sugere inovações por meio do uso estratégico de ferramentas digitais, para facilitar a transição agroecológica e fortalecer os sistemas de produção orgânica de forma inclusiva, cultivando as relações de confiança.

O projeto foi construído com a contribuição de especialistas, lideranças rurais e também por professores da Unicamp, UFSCar, Unesp e USP e está disponível para consulta no site da entidade.

Canal Rural © 2020 Todos os direitos reservados.

Canal Rural © 2020 Todos os direitos reservados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *