O que levou petistas a irem em peso comemorar vitria de Alberto Fernndez na Argentina

A expectativa de que a eleição de Alberto Fernández possa influenciar, de alguma maneira, a política brasileira e regional acabou atraindo a presença de integrantes e militantes do Partido dos Trabalhadores (PT) para a festa da vitória, na noite de domingo (27/10), na capital argentina.

 

Pelo menos trinta petistas, entre militantes, integrantes da direção do partido, parlamentares e ex-parlamentares, como os ex-senadores Lindbergh Farias e Aloysio Mercadante, além do ex-ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, participaram das comemorações.

 

Uma multidão erguendo bandeiras da Argentina, cartazes e até camisetas com o rosto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se concentrou, na noite de domingo, em frente ao local onde Fernández e a ex-presidente e senadora Cristina Kirchner, sua vice, fizeram os discursos da vitória, no bairro portenho da Chacarita.

 

Os políticos e militantes brasileiros, como um dos filhos e um neto do ex-presidente Lula, estiveram no local, como contaram integrantes da comitiva.

Em sua conta no Twitter e no discurso, o presidente eleito da Argentina pediu a liberdade de Lula.

 

“Lula é um homem preso injustamente e temos de continuar pedindo por sua liberdade: Lula livre. Que a América Latina e o mundo escutem”, disse, sendo acompanhado pelos gritos dos apoiadores.

 

Fernández e Cristina citaram ainda as ondas recentes de protestos no Chile e no Equador e parabenizaram Evo Morales pela reeleição — que gera controvérsia e protestos em regiões da Bolívia.

 

Em entrevistas à BBC News Brasil, Amorim, Lindbergh e o jornalista e militante do PT Rogério Tomas contaram por que participaram das comemorações. O ex-chanceler, convidado por Fernández, esteve no palanque do presidente eleito, com quem trocou abraços.

 

“A vitória de Alberto Fernández é muito importante para a Argentina, para o Brasil e para a região. Estou muito feliz com a vitória dele. Para nós, significa que o neoliberalismo vai acabando nos nossos países.

 

E claro que isso também pode irradiar para o Brasil e para toda a região”, disse Amorim, lembrando a onda recente de protestos no Chile, que costuma ser apontado como símbolo do neoliberalismo.

 

O ex-chanceler participou ainda de encontros com políticos de outros países, como Fernando Lugo, ex-presidente do Paraguai, e José Luiz Rodríguez Zapatero, ex-primeiro-minsitro da Espanha, que também foram acompanhar a eleição. Amorim disse que a postura de Fernández sobre Lula não deveria afetar a relação entre os dois governos.

 

“O Brasil e a Argentina têm uma longa história e espero que a integração do Mercosul seja respeitada por parte do presidente (Jair) Bolsonaro. O Mercosul é fundamental”, disse Amorim. Nesta segunda-feira, Bolsonaro disse que a Argentina “escolheu mal”, que não parabenizaria Fernández e o criticou por se envolver na campanha pela liberdade de Lula.

 

Na visão de Lindbergh, a eleição do político peronista-kirchnerista, que foi chefe de gabinete nos governos de Néstor e de Cristina Kirchner, é “um acontecimento histórico”.

“Nós achamos que a vitória de Fernández significa novos ventos, ventos a favor, na região. A vitória na Argentina significa uma mudança no continente, significa a abertura de um novo período.

 

Foi o México (com Andrés Manuel López Obrador). E antes da chegada de Bolsonaro no Brasil, tivemos um processo regional que incluiu Tabaré Vázquez, Mujica (no Uruguai), Evo Morales (na Bolívia) e Rafael Correa (no Equador). Achamos que este processo está voltando”, disse o ex-senador.

 

 

Fonte      https://www.terra.com.br/noticias/o-que-levou-petistas-a-irem-em-peso-comemorar-vitoria-de-alberto-fernandez-na-argentina,7a77434c10e08dbdd0daad5bc479aee66lpa6lmr.html