Oposio diz que Governo subestima receita em R$ 2 bilhes

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-language:EN-US;}

Responsável pela paralisação da votação da Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2020, o deputado opositor Lúdio Cabral (PT) afirmou que o governador Mauro Mendes (DEM) subestimou as receitas do Estado para este ano em R$ 2 bilhões.

 

Segundo ele, o objetivo do democrata é ter margem para poder remanejar como quiser os valores sem autorização da Assembleia Legislativa nem da própria LOA.

 

Isso porque o Governo tenta aprovar uma margem de remanejamento de 20% no orçamento deste ano, o que tem sido rejeitado pelos parlamentares por entender que o valor é muito alto. Atualmente, a discussão é dar uma liberdade a Mendes de 5% a 15% dos valores. Dentro desse valor, o chefe do Executivo pode aplicar onde preferir sua gestão.

 

O projeto de lei orçamentária que o Governo mandou para Assembleia está completamente desconectado da realidade

De acordo com Lúdio, por conta desse valor de remanejamento ser baixo, o Governo encaminhou uma previsão de receita abaixo do que realmente deve chegar. Desta forma, haveria excesso de arrecadação. Dentro do excesso, Mendes também tem liberdade para aplicação dos recursos.

 

A Lei Orçamentária Anual de 2020 prevê receitas de R$ 20,3 bilhões e fixa despesas em R$ 20,9 bilhões. Com os números, o rombo para este ano será de R$ 600 milhões.

 

“O Projeto de Lei Orçamentária que o Governo mandou para Assembleia está completamente desconectado da realidade, porque ele está subestimando receita. São aproximadamente R$ 2 bilhões em receita subestimada no orçamento. Precisamos votar um orçamento que reflita a realidade do Estado”, disse Lúdio.

 

Para o deputado do PT, o Governo precisaria acrescentar ainda a receita que terá com a primeira etapa da reforma da Previdência dos servidores públicos, que eleva a alíquota de contribuição de 11% para 14% para diversas faixas salariais.

 

“Todo esse debate da Previdência altera a receita e despesa do Estado. Não está nem na LDO [Lei de Diretrizes Orçamentárias] e nem na LOA. Para que tem orçamento então? Isso teria que estar previsto na LDO. Se é fato novo, que se altere a LDO com a expetativa que há de redução de despesa e aumento de receita”, afirmou.

 

Victor Ostetti/MidiaNews

Deputado Dilmar Dal Bosco

O líder do Governo na Assembleia Legislativa, deputado Dilmar Dal’Bosco

“Mas o Governo não quer fazer isso. Não quer que a LOA reflita a realidade, porque se refletir, o orçamento terá que incluir receita que o governador está escondendo. Arrecadação que o governador está escondendo para poder, ao longo de 2020, usar da forma que ele quiser, sem controle da LOA e da Assembleia. Ele quer ficar com excesso de arrecadação para poder remanejar da forma que quiser”, disse.

 

Rebateu

 

O líder do Governo na Assembleia Legislativa, deputado Dilmar Dal’Bosco (DEM), negou que a LOA esteja escondendo os números reais para este ano.

 

Segundo ele, não há previsão de arrecadação com a reforma da Previdência, porque ela sequer foi aprovada ainda.

 

“De maneira nenhuma. Quando o orçamento veio, em setembro, não tinha previsão de quando se votaria a reforma. Até agora não sabemos se vai ou não votar a Previdência. Como acrescentar uma coisa que não aconteceu?”, disse.

 

Enquanto não for aprovado a LOA, o Executivo só poderá usar 1/12 de seu orçamento, a partir de janeiro, até que seja aprovada a medida.

 

A expectativa é de que a peça seja votada ainda esta semana, para ir à sanção do governador Mauro Mendes.

 

Leia mais sobre o assunto:

 

AL ‘amarra Mendes’ e rejeita liberdade para remanejar recursos

 

AL faz esforço, vota LOA e Previdência até sexta e retoma férias

 

Deputados aprovam LOA de 2020 em primeira votação

 

Governo planeja mudanças e AL adia votação para o ano que vem

 

Com 350 emendas, Botelho tenta concluir votação ainda em 2019

 

Após derrubada de veto, Governo deve modificar Orçamento