Página de ataques virtuais foi criada por gabinete de Eduardo Bolsonaro

#infocoweb_cabecalho {
display: inline-block;
margin-top: -75px;
position: absolute;
right: 0;
}
figure.wp-caption{display:none!important;}

Deputado federal Eduardo Bolsonaro arrow-options
Vinicius Loures/Câmara dos Deputados

Deputado federal Eduardo Bolsonaro

Uma das contas de redes sociais utilizadas para realizar ataques e discurso de ódio contra opositores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido)  foi criada por um e-mail do gabinete do deputado federal Eduardo Bolsonaro (sem partido), segundo informações do Facebook obtidas por quebra de sigilo para a CPMI das Fake News e divulgadas nesta quarta-feira (4), pela colunista Costança Rezende, do UOL .

Leia também: Gabinete da família Bolsonaro administra perfis falsos pró-governo, diz Joice

As informações revelam que a conta de Instagram Bolsofeios, com 21 mil seguidores, foi criada por meio de um dos computadores da Câmara dos Deputados, em Brasília. A página também está registrada no telefone do secretário parlamentar de Eduardo Bolsonaro , Eduardo Guimarães.

O e-mail utilizado para a criação da conta é [email protected], utilizado pela assessoria do deputado para comprar passagens e reservar hotéis pela cota parlamentar. O e-mail aparece na prestação de contas da Câmara dos Deputados. 

Em dezembro de 2019, a deputada federal Joice Hasselman havia dito que a conta Bolsofeios pertencia a Eduardo Guimarães, secretário do filho do presidente. Em depoimento à CPMI das Fake News , Joice afirmou que existia um grupo chamado “gabinete do ódio”, responsável pelo contas de ataques virtuais. A partir deste depoimento, o deputado Túlio Gadelha (PDT-PE) solicitou as informações ao Facebook, que administra o Instagram.

Leia também: “Hans mentiu”, diz presidente da CPI da Fake News sobre acusação contra repórter

As informações mostraram que “os participantes do grupo ‘ Gabinete do Ódio ’ não apenas articulavam sistematicamente a divulgação de Fake News no período eleitoral de 2018, mas também elaboram um ‘cronograma de ataques’ para ‘assassinato de reputações’, o que configura a prática de cyberbullying até a presente data”, afirmou Gadelha. Gabinete de Eduardo Bolsonaro estaria envolvido.

Fonte: IG Política