Para coibir aglomeração, Nova Mutum proíbe venda de bebidas alcoólicas

Por Esportes & Notícias

O novo decreto municipal, que será publicado nesta terça-feira (30), estabelecerá medidas ainda mais rígidas nas ações que visam frear o avanço dos casos de covid-19 em Nova Mutum. O documento proibirá a comercialização de bebidas alcoólicas em todo território municipal a partir da próxima sexta-feira, 03 de julho.

De acordo com o decreto, todo estabelecimento comercial que esteja aberto e comercialize bebidas deverá suspender a venda e recolher tais produtos das prateleiras até esta quinta-feira, 02 de julho.

O descumprimento das regras acarretará em multa e suspensão de licença de funcionamento em caso de reincidência.

Penalidades também serão aplicadas para quem for pego consumindo bebidas alcoólicas em áreas públicas.

Estas novas ações, definidas pelo Comitê Municipal de Enfrentamento ao Coronavírus, atendem a notificação feita pelo Ministério Público Estadual à todas as prefeituras que compõe o Consorcio Intermunicipal Vale do Teles Pires.

A Procuradora Geral da Prefeitura de Nova Mutum, Luciana Trevisan, argumenta que as maiores aglomerações que vem ocorrendo no município acontecem em função de confraternizações de amigos e famílias no período da noite e finais de semana geralmente com a presença de bebidas alcoólicas.

“Com base nestas informações ficou determinado a proibição da comercialização de bebidas alcoólicas, já que devido a essas confraternizações as pessoas não estão respeitando as regras de distanciamento social”, explica.
Conforme a procuradora, o momento requer maior rigidez das autoridades já que o sistema de saúde em Mato Grosso entrou em colapso.

“Nós estamos em um momento delicado, a saúde do Estado entrou em colapso, tentamos de várias maneiras orientar a população, flexibilizamos as regras contando com uma resposta positiva por parte da sociedade. Infelizmente o que estamos vendo são pessoas ignorando as regras, como se nada estivesse acontecendo, agora precisamos endurecer medidas com ações mais rígidas para que possamos reduzir os casos de covid-19 que não param de crescer”, ressalta.