Peça com Jesus transexual é cancelada

O grupo responsável pela mostra “Corpos visíveis” convocou uma manifestação para esta terça-feira, às 13h, na Praça Agripino Grieco (conhecida como Praça do Leão Etíope), no Méier, Zona Norte do Rio. O evento que ocuparia, de sexta a domingo, a Arena Carioca Fernando Torres, no Parque Madureira, também na Zona Norte, não vai acontecer. Durante a mostra seria encenada a peça “O Evangelho segundo Jesus, Rainha do Céu”, na qual Cristo é representado por uma transexual, como Ancelmo Gois publicou em sua coluna no GLOBO.

Após a publicação da nota anunciando a programação, o prefeito Marcelo Crivella publicou um vídeo em seu perfil no Facebook afirmando que a peça não seria realizada no espaço cultural, fechado por ordem judicial. Além disso, ele afirmou que, na administração dele, “nenhum espetáculo, nenhuma exposição vai ofender a religião das pessoas”.

Em nota, a produção do evento contestou as declarações de Crivella e afirmou que havia negociações com a Secretaria municipal de Cultura desde o fim do ano passado. “Destacamos que esta intervenção direta do prefeito não é uma prática comum ou mesmo aceitável, visto que se trata de um Estado laico, na organização de eventos em aparelhos públicos como arenas e lonas culturais no município do Rio de Janeiro. Trata-se nitidamente de censura à visibilização e livre expressão artística dos corpos LGBTQI+, femininos, negros e periféricos”, diz o comunicado.

LEIA A NOTA NA ÍNTEGRA

“Nota de repúdio e convocatória de apoio

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2018.

A produção da ‘Corpos Visíveis’ afirma que, após negociações com a Secretaria municipal de Cultura do Rio de Janeiro, desde o fim do ano passado, ontem (04) – 4 dias antes do início do evento que ocorrerá entre os dias 8, 9 e 10 de junho no Parque Madureira – soubemos que o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, veio a público para deslegitimar o evento afirmando que a peça ‘O Evangelho Segundo Jesus, rainha do Céu’ não seria realizada.

Hoje, em reunião com a subsecretária de Cultura, Rachel Valença, tivemos a confirmação de que tanto a peça quanto toda a programação que aconteceria na Arena supracitada estaria cancelada. Destacamos que esta intervenção direta do Prefeito não é uma prática comum ou mesmo aceitável, visto que se trata de um estado laico, na organização de eventos em aparelhos públicos como Arenas e Lonas culturais no município do Rio de Janeiro. Trata-se nitidamente de censura à visibilização e livre expressão artística dos corpos LGBTQI+, femininos, negros e periféricos

A peça já sofreu tentativas de censura em outros estados e aqui mesmo no município com perseguições sofridas por trazer uma atriz travesti no papel de Jesus e um roteiro que questiona “E se Jesus vivesse nos tempos de hoje e fosse travesti?”. A produção da Corpos Visíveis garante que a peça não busca ofender cristãos, mas cria um questionamento sobre a falta de tolerância e respeito nos tempos atuais pregando o respeito e o amor incondicional.

A Corpos Visiveis acontece no mês da visibilidade LGBTQI+ justamente para discutir e viabilizar por meio da arte questões como LGBTfobia e machismo, temas fundamentais em qualquer democracia, especialmente no país que mais mata LGBTs no mundo. Convocamos toda a classe artística, LGBTQI+, negros, periféricos, mulheres e demais pessoas interessadas na liberdade de expressão e igualdade de direitos a estarem conosco para manifestação na Praça do Leão Etíope do Méier, a partir das 13h, deste dia (05/06), terça-feira.

#NossosCorposSãoVisíveis

#NãoCensuremNossosCorpos

#CorposVisíveis

#CensuraNuncaMais”

 

Por EXTRA