Pecuaristas do Pará clamam por infraestrutura e liberdade em ato pró-Bolsonaro

O protesto realizado neste sábado em Brasília, com manifestantes pró-presidente Jair Bolsonaro reuniu muitos produtores rurais  de várias partes do Brasil. Uma caravana vinda de São Félix do Xingu (PA), trouxe pecuaristas que pedem para que seja “mostrada a verdade da região”.

“Viemos aqui para que se tenha mais liberdade e que não possamos sofrer tanta pressão. A gente que é do Pará sofre muita pressão da mídia pela questão do desmatamento, sendo que na maioria das vezes é mentira. Precisamos da legalização das nossas terras”, disse o pecuarista Abimael Conceição de Souza.

Sérgio Conceição de Souza , também pecuarista, explica que o município tem o maior rebanho do país, com 2,7 milhões de cabeças de animais. “São animais que alimentam o Brasil. Os poderes precisam olhar para aquela região, uma região garimpeira, região produtora, região do minério, enfim, das riquezas naturais”, disse.

Ele diz que sente falta da regularização fundiária. “ A gente não tem garantia legal para trabalhar. Hoje, você compra uma máquina por um valor ‘X’, máquina que hoje alguns produtores compram no valor de R$ 500 mil ou de R$ 600 mil a mais e não tem suporte nenhum legal para trabalhar. E muitas vezes chega uma fiscalização e não procura nem A e nem B, já tocam fogo”, relata.

Janilson Pereira da Luz, por sua vez, diz que falta infraestrutura para produtores da região. “Além de nós termos terras boas, nós temos pessoas trabalhadoras, que ali se desenvolvem permanentemente. Nós precisamos que o Instituto Chico Mendes, que o Ministério do Meio Ambiente olhem atentamente para aquelas pessoas que ali trabalham, que ali desenvolvem o futuro do Brasil, que ali põe o alimento na mesa de cada cidadão brasileiro”.

O protesto realizado neste sábado em Brasília, com manifestantes pró-presidente Jair Bolsonaro reuniu muitos produtores rurais  de várias partes do Brasil. Uma caravana vinda de São Félix do Xingu (PA), trouxe pecuaristas que pedem para que seja “mostrada a verdade da região”.

“Viemos aqui para que se tenha mais liberdade e que não possamos sofrer tanta pressão. A gente que é do Pará sofre muita pressão da mídia pela questão do desmatamento, sendo que na maioria das vezes é mentira. Precisamos da legalização das nossas terras”, disse o pecuarista Abimael Conceição de Souza.

Sérgio Conceição de Souza , também pecuarista, explica que o município tem o maior rebanho do país, com 2,7 milhões de cabeças de animais. “São animais que alimentam o Brasil. Os poderes precisam olhar para aquela região, uma região garimpeira, região produtora, região do minério, enfim, das riquezas naturais”, disse.

Ele diz que sente falta da regularização fundiária. “ A gente não tem garantia legal para trabalhar. Hoje, você compra uma máquina por um valor ‘X’, máquina que hoje alguns produtores compram no valor de R$ 500 mil ou de R$ 600 mil a mais e não tem suporte nenhum legal para trabalhar. E muitas vezes chega uma fiscalização e não procura nem A e nem B, já tocam fogo”, relata.

Janilson Pereira da Luz, por sua vez, diz que falta infraestrutura para produtores da região. “Além de nós termos terras boas, nós temos pessoas trabalhadoras, que ali se desenvolvem permanentemente. Nós precisamos que o Instituto Chico Mendes, que o Ministério do Meio Ambiente olhem atentamente para aquelas pessoas que ali trabalham, que ali desenvolvem o futuro do Brasil, que ali põe o alimento na mesa de cada cidadão brasileiro”.

Canal Rural © 2020 Todos os direitos reservados.

Canal Rural © 2020 Todos os direitos reservados.