Pedido de impeachment de Bolsonaro após protesto pró-governo chega à Câmara

#infocoweb_cabecalho {
display: inline-block;
margin-top: -75px;
position: absolute;
right: 0;
}
figure.wp-caption{display:none!important;}

Presidente Jair Bolsonaro arrow-options
Agência Brasil

Bolsonaro descumpriu recomendação do Ministério da Saúde

O deputado distrital Leonardo Grass (Rede-DF) protocolou nesta terça-feira (17) o primeiro pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro após as manifestações pró-governo realizadas no domingo (15). O parlamentar alega que Bolsonaro cometeu crime de responsabilidade por incentivar protestos contra o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF).

Durante uma escala que o presidente fazia em Boa Vista, no estado de Roraima, em uma viagem para a Flórida, nos Estados Unidos, no dia 7 de março, Bolsonaro fez um discurso para cerca de 400 pessoas e disse que a mobilização popular não era contra o Legislativo ou o Judiciário, mas “pró-Brasil”.​

Na denúncia, Grass também cita outros casos que configuram crime de responsabilidade cometidos por Bolsonaro. Entre eles está a ofensa à jornalista Patrícia Campos Mello, do jornal Folha de S. Paulo . O presidente disse que a repórter queria “dar o furo” em troca de informações que pudessem prejudicá-lo no caso do envio de mensagens em massa pelo WhatsApp nas eleições de 2018.

Leia também: Em dez dias, casos de coronavírus podem subir até 2.400% no Brasil

Esse não é o primeiro pedido de impeachment contra Bolsonaro. Ele é alvo de pelo menos outros dez, sendo que o primeiro, de 5 de fevereiro de 2019, foi arquivo pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Nesta terça, o Ministério Público de Contas pediu que a conduta do presidente na manifestação de domingo seja avaliada. Na ocasião, ele descompriu recomendação do Ministério da Saúde de evitar aglomerações, e compareceu ao ato de Brasília. Ele chegou de carro, mas saiu do veículo, apertou a mão de apoiadores, aproximou o rosto para posar para fotos e pegou vários celulares para tirar selfies.

Fonte: IG Política