Preços do boi gordo se mantêm firmes com a demanda aquecida

O mercado físico de boi gordo registrou preços estáveis nesta quinta-feira (5). Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, os preços do boi gordo aparentam ter alcançado um ponto de acomodação em muitos estados. “Mesmo com escalas de abate confortáveis, que atendem entre cinco e sete dias úteis, os frigoríficos não encontram espaço para exercer pressão significativa sobre o mercado”, disse Iglesias.

A demanda de carne bovina se mostra positiva às vésperas do Dia dos Pais, algo já esperado, com alguma alta dos preços das carnes no atacado. “O grande problema ainda é o preço proibitivo da carne bovina no atacado, impossibilitando altas mais robustas da carne. Por outro lado, as exportações permanecem em bom nível, com a China absorvendo relevantes volumes de proteína animal brasileira”, assinalou o analista.

Com isso, em São Paulo, a referência para a arroba do boi (15 kg) ficou em R$ 317 na modalidade a prazo. Em Goiânia, a arroba teve preço de R$ 304, inalterado. Em Dourados (MS), a arroba foi indicada em R$ 313, ante R$ 312. Em Cuiabá, a arroba ficou indicada em R$ 308, estável. Em Uberaba (MG), com preços a R$ 311, a arroba também permaneceu estável.

Atacado

Já no mercado atacadista, os preços da carne bovina seguem firmes. Segundo Iglesias, o ambiente de negócios ainda sugere reajustes na primeira quinzena do mês, em linha com a boa demanda no período, considerando que além da entrada dos salários na economia há também o adicional de consumo relativo ao dia dos pais. “O abrandamento das medidas de distanciamento social leva a crer em um melhor resultado de restaurantes e de outros estabelecimentos, setor importante em relação a demanda por cortes nobres”, disse Iglesias.

O quarto dianteiro foi precificado a R$ 16,9 por quilo, inalterado. O quarto traseiro teve preço de R$ 21,20 por quilo, alta de 20 centavos. Já a ponta de agulha foi precificada a R$ 17 por quilo, estável.

Por Agência Safras

O mercado físico de boi gordo registrou preços estáveis nesta quinta-feira (5). Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, os preços do boi gordo aparentam ter alcançado um ponto de acomodação em muitos estados. “Mesmo com escalas de abate confortáveis, que atendem entre cinco e sete dias úteis, os frigoríficos não encontram espaço para exercer pressão significativa sobre o mercado”, disse Iglesias.

A demanda de carne bovina se mostra positiva às vésperas do Dia dos Pais, algo já esperado, com alguma alta dos preços das carnes no atacado. “O grande problema ainda é o preço proibitivo da carne bovina no atacado, impossibilitando altas mais robustas da carne. Por outro lado, as exportações permanecem em bom nível, com a China absorvendo relevantes volumes de proteína animal brasileira”, assinalou o analista.

Com isso, em São Paulo, a referência para a arroba do boi (15 kg) ficou em R$ 317 na modalidade a prazo. Em Goiânia, a arroba teve preço de R$ 304, inalterado. Em Dourados (MS), a arroba foi indicada em R$ 313, ante R$ 312. Em Cuiabá, a arroba ficou indicada em R$ 308, estável. Em Uberaba (MG), com preços a R$ 311, a arroba também permaneceu estável.

Atacado

Já no mercado atacadista, os preços da carne bovina seguem firmes. Segundo Iglesias, o ambiente de negócios ainda sugere reajustes na primeira quinzena do mês, em linha com a boa demanda no período, considerando que além da entrada dos salários na economia há também o adicional de consumo relativo ao dia dos pais. “O abrandamento das medidas de distanciamento social leva a crer em um melhor resultado de restaurantes e de outros estabelecimentos, setor importante em relação a demanda por cortes nobres”, disse Iglesias.

O quarto dianteiro foi precificado a R$ 16,9 por quilo, inalterado. O quarto traseiro teve preço de R$ 21,20 por quilo, alta de 20 centavos. Já a ponta de agulha foi precificada a R$ 17 por quilo, estável.

Por Agência Safras

Canal Rural © 2020 Todos os direitos reservados.

Canal Rural © 2020 Todos os direitos reservados.