Primeiro dia do 2º Seminário Antidopagem Brasileiro reúne quase 500 pessoas em palestras virtuais

A Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) realizou, na noite desta quarta-feira (24.06), o primeiro dos três dias de palestras e discussões do 2º Seminário Antidopagem Brasileiro, que este ano é todo virtual em função da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Cada um dos três dias do seminário é voltado a um público distinto e, nesta quarta-feira as palestras foram dirigidas aos atletas, seus familiares e aos profissionais das equipes de apoio aos atletas. Ao todo, o primeiro dia do seminário contou com quase 500 participantes.

Além da secretária da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem, a ex-ginasta olímpica Luisa Parente, e do secretário Especial Adjunto da Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania, André Alves, responsável pela abertura oficial do seminário, a agenda do primeiro dia contou com a presença de diversos especialistas como palestrantes.

Participaram do evento a diretora do Escritório Latino-Americano da Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês), María José Pesce; o gerente de Educação e Prevenção à Dopagem do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Dr. Christian Trajano; a diretora-técnica substituta da ABCD, Adriana Taboza; o médico e coordenador nacional da Comissão de Dopagem do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), Dr. Hésojy Gley; e o coordenador-geral do Programa Bolsa Atleta, Mosiah Rodrigues. As palestras foram mediadas por Anthony Moreira, diretor-executivo da ABCD, e o diretor de esportes do COB, Jorge Bichara, também participou do seminário.

Assista à íntegra do primeiro dia do 2º Seminário Antidopagem Brasileiro:

 

“A presença de um público tão grande só reforça a importância que o tema antidopagem tem junto aos atletas, seus familiares e suas equipes”, destacou André Alves. “A ABCD está de parabéns pela organização desta segunda edição do seminário e tenho certeza de que os próximos dois dias serão igualmente importantes e bem-sucedidos”, prosseguiu o secretário Especial Adjunto da Secretaria Especial do Esporte.

O Brasil deu um passo grande hoje e a ideia é que sejamos uma das referências do jogo limpo para o mundo”

Luisa Parente, secretária da ABCD

“A satisfação é muito grande. É uma alegria ter essa participação ativa, tanto nas inscrições quanto na audiência. O assunto não se esgota, temos muito pela frente para trabalhar, e a maior alegria é a união da nossa equipe da ABCD, o apoio da Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania, e a união de toda essa rede brasileira antidopagem, demonstrada na participação dos palestrantes. O Brasil deu um passo grande hoje e a ideia é que sejamos uma das referências do jogo limpo para o mundo”, ressaltou Luisa Parente.

Em sua palestra, María José Pesce abordou o tema Valores do Esporte e Política Antidopagem durante a Pandemia. Ela detalhou as adaptações que a crise sanitária gerou em todo o processo antidopagem no mundo e, ao final, ressaltou a importância de todos se cuidarem. “É um momento para saber que estamos em um mundo diferente e temos que nos adaptar rapidamente às mudanças. Cuidar de si mesmo significa cuidar dos outros, cuidar do meu povo, cuidar do meu país e do meu mundo”, afirmou a diretora do Escritório Latino-Americano da Agência Mundial Antidoping.

Suplementos

O Dr. Christian Trajano fez um alerta muito importante no que diz respeito ao uso de suplementos por parte dos atletas, que aumentou neste período de isolamento e afastamento dos treinos e competições.

Ele explicou que, devido à mudança radical em suas rotinas, os atletas, principalmente aqueles que visam as vagas para os Jogos de Tóquio no ano que vem, estão sujeitos a distúrbios alimentares e que isso pode levá-los ao aumento do uso de suplementos.

“Nesse momento, uma busca por alguma ajuda pode levar o atleta ao encontro dos suplementos alimentares e de fórmulas que prometem e são desenvolvidas teoricamente para suavizar esses efeitos (dos distúrbios alimentares). Mas o atleta deve entender o risco de um teste positivo para doping associado ao consumo de suplementos”, alertou.

O representante do COB citou uma ação do Comitê Olímpico Internacional (COI), que financiou um estudo junto à Universidade de Esporte de Colônia, na Alemanha, para verificar qual a profundidade desse problema. Esse estudo analisou diversos tipos de suplementos que foram comprados em vários países e de diferentes fornecedores. Os compradores fizeram a maior parte das compras em lojas físicas e o resultado foi chocante. “15% dos produtos estavam contaminados com esteroides anabolizantes em quantidades suficientes para produzir um resultado positivo para doping”, destacou Trajano.

Na sequência do seminário, o Dr. Hésogy Gley destacou as especificidades do processo de coleta e da Autorização de Uso Terapêutico (AUT) entre os paratletas. Depois, Adriana Taboza detalhou como é feito o processo de coleta durante a pandemia e, em seguida, Mosiah Rodrigues explicou como o Programa Bolsa Atleta se relaciona à questão da antidopagem.

Ele explicou que um dos pré-requisitos do programa é que os atletas se prontifiquem a realizar testes em competições, bem como conhecer e acatar as normas e procedimentos relacionados à antidopagem. Os atletas podem ter o pagamento da Bolsa suspenso, em caso de punição preventiva devido a testes positivos, e até o cancelamento do benefício, em caso de condenação definitiva. Mosiah lembrou ainda que atletas suspensos, bem como atletas condenados mais de uma vez por dopagem, não podem se candidatar à Bolsa Atleta.

Programação

Nesta quinta-feira (25.06), o segundo dia do 2º Seminário Antidopagem Brasileiro será voltado aos profissionais de saúde. A programação terá palestras de Adriana Taboza; do presidente da Comissão de Autorização de Uso Terapêutico da ABCD (CAUT), Dr. José Kawazoe; do presidente da Organização Antidopagem da América do Sul (ORAD-SAM) e diretor-executivo da Agência Nacional Antidopagem do Peru, Dr. Victor Carpio; do coordenador da Comissão de Controle de Dopagem da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Dr. Fernando Solera; e do coordenador do Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem (LBCD), professor Henrique Marcelo.

No último dia do seminário, na sexta-feira (26.06), a agenda será voltada para advogados e juristas e terá como palestrantes Tharinda Puth, gerente de assuntos legais da Wada; Luciana Corrêa, coordenadora-geral de Gestão de Resultados da ABCD, e a Dr. Tatiana Mesquita, presidente do Tribunal de Justiça Desportiva Antidopagem – TJDAD.

Luiz Roberto Magalhães – Diretoria de Comunicação – Ministério da Cidadania

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *