Produtora cultural realiza prêmio para artistas negros e indígenas; inscrições até quarta

O projeto foi aprovado em edital da Lei Aldir Blanc em Cuiabá.

O projeto Negócio da Arte (Nega) está com inscrições abertas para intérpretes e interessados em ativar seu lado empreendedor criativo. Até esta quarta-feira (10), artistas podem se inscrever gratuitamente para o 1º Prêmio de Música Nega Mato, que vai premiar um intérprete, priorizando candidatas mulheres ou transgênero, com R$ 1 mil, uma sessão de fotos para divulgação com o conceituado Rodolfo Luiz e ainda, ter um single gravado com acompanhamento do produtor musical, Rogê Além. Além da premiação, o programa prevê também a capacitação de outras 20 pessoas na elaboração de projetos para concorrer a editais no segmento musical.

Criado para impulsionar iniciativas culturais de realizadores negros e indígenas, o Nega foi aprovado em edital da Lei Aldir Blanc em Cuiabá, realizado pela Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer, com apoio do Conselho Municipal de Política Cultural.

Segundo o regulamento, os interessados em concorrer ao prêmio devem ser negros ou indígenas, morarem em Cuiabá e serem intérpretes. O formulário online está disponível AQUI. Além de responder ao questionário, candidatos devem enviar arquivo ou link que direcione para vídeo em que interprete uma música.

A idealizadora do projeto, Julianne de Quadros ressalta que a curadoria atribuirá critérios e pontuações extras para candidatas mulheres ou transgêneros, que toquem instrumento e que ainda, sejam autores da música do vídeo apresentado na proposta.

“Para descomplicar, dá para gravar em vídeo pelo próprio celular, não precisa ser nenhuma gravação profissional. Já sobre a pontuação, vale ressaltar, boa parte dos pontos são garantidos mesmo pelo talento, desenvoltura, afinação e performance”, destaca.

A oficina de produção cultural será ministrada também pela idealizadora do projeto, que possui grande conhecimento técnico da área de gestão de projetos e prestação de contas.

“Precisamos fomentar a ampliação do número de realizadores negros e indígenas, pois afinal, propostas boas não faltam. Trabalhando esse tipo de capacitação acabamos por fortalecer a autoestima e artistas confiantes têm muito mais chances de empreender na área da economia criativa. Que todos saiam com projeto pronto e quiçá, uma nova ideia que possa vir a ser uma fonte de renda”.

As aulas serão online e os inscritos serão divididos em duas turmas. A ideia é mostrar como elaborar projetos e planos de ação, captar recursos e prestar contas, além de abordar diversos temas do empreendedorismo criativo. Para se inscrever nas oficinas – que dão direito a certificado de 20h – basta acessar AQUI.

Canal no YouTube

Em preparação às atividades do Nega, Julianne de Quadros tem produzido vídeos informativos sobre empreendedorismo criativo e exibe entrevistas com agentes da cultura. Além disso, vai usar o canal para falar sobre editais, elaboração de projetos e prestação contas.

Acesse AQUI para assistir ao vídeo que explica o que é a Lei Aldir Blanc.

Julianne Quadros é contadora pela Universidade de Mato Grosso (Unemat), atua na produção cultural há 13 anos e há dez, é analista de desenvolvimento econômico e social do Governo de Mato Grosso.

Serviço

Nega (Negócio da Arte) realiza:

1º Prêmio de Música Nega Mato com inscrições até 10 de fevereiro

Oficinas de produção cultural: 1º grupo entre os dias 23 e 26 de fevereiro, das 13h30 às 15h30 e 2º grupo entre os dias 27 e 28 de fevereiro, das 8h às 12h

Mais informações: (65) 99686-5898 ou negamato@gmail.com / Instagram: @negociodaarte

Por NAIARA LEONOR