Projeto da Cmara aumenta salrio de Emanuel para R$ 27,5 mil

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-language:EN-US;}

A Mesa Diretora da Câmara de Cuiabá apresentou um projeto de lei estabelecendo em R$ 27,5 mil o salário do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB). Atualmente, o subsídio está fixado em pouco mais de R$ 23,6 mil.

 

O projeto – que já recebeu parecer favorável da Comissão de Constituição e Justiça da Casa – também prevê um novo aumento para 2021, quando o salário passa a ser de R$ 32 mil.

 

Conforme o texto, ao menos por ora não haverá mudanças nos vencimentos do vice-prefeito e dos secretários municipais, que recebem R$ 15 mil e R$ 13,6, respectivamente.

 

O que resta salientar é que município d está sem norma válida e eficaz para estipulação dos subsídios do prefeito, que é, por sua vez, em decorrência de mandamento constitucional, também o teto da remuneração dos demais servidores

Apenas a partir de 2021 é que os salários serão majorados para R$ 18 mil e R$ 15 mil, respectivamente.

 

Ao apresentar a proposta, o presidente da Câmara Misael Galvão (PSB) justificou que um dispostivo da Lei Orgânica do Município, que fixava o salário do prefeito em R$ 27 mil – pago até abril deste ano – foi declarado inconstitucional pelo Tribunal de Justiça (TJ-MT).

 

“O que resta salientar é que Município de Cuiabá está sem norma válida e eficaz para estipulação dos subsídios do prefeito, que é, por sua vez, em decorrência de mandamento constitucional, também o teto da remuneração dos demais servidores públicos”, diz trecho do projeto.

 

Desta forma, conforme o projeto, qualquer majoração feita neste momento, sem que haja um projeto de lei aprovado pela Câmara de Vereadores, ocorrerá “à margem do princípio da legalidade”.

 

“Por isso, faz-se imperioso que a Câmara Municipal apresente e vote com urgência a lei que fixe o salário do prefeito, definindo também o valor do teto das remunerações dos demais agentes públicos”, acrescenta o texto.

A legislação atende também uma reivindicação de fiscais e auditores da Prefeitura, cujos salários são baseados nos vencimentos do prefeito.

 

Conforme a proposta, se aprovada, a lei terá efeito retroativo a maio deste ano.

 

O texto agora está sob análise da Comissão de Execução Orçamentária, que tem reunião prevista para a próxima sexta-feira (8).

 

Na sequência, a proposta é remetida para votação em plenário.

 

O projeto é assinado pelo presidente Misael Galvão  (PSB), primeiro vice-presidente Vinícius Hugueney (PP), segundo vice-presidente Marcos Veloso (PV), primeiro secretário Adevair Cabral (PSDB) e o segundo secretário Orivaldo da Farmácia (PRP).

Leia mais sobre o assunto:

Emanuel cita efeito cascata e se diz contra aumento de seu salário

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *