“Querem jogar na lama o nome do Bolsonaro”, critica deputado

O deputado estadual Claudinei Lopes (PSL) afirmou que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) está sendo alvo de “manipulação” da mídia e tentativa de “desmoralização de sua imagem”.

 

A declaração, feita na sessão desta quarta-feira (30), ocorreu após o Jornal Nacional, da TV Globo revelar que Bolsonaro foi citado nas investigações do assassinato da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

 

Segundo a reportagem, o porteiro do condomínio de Bolsonaro contou à polícia que, horas antes do assassinato, em 14 de março de 2018, um dos suspeitos do crime, Élcio de Queiroz, entrou no local e disse que iria para a casa do então deputado Jair Bolsonaro. Os registros de presença da Câmara dos Deputados, entretanto, mostram que ele estava em Brasília no dia.

 

Na tarde desta quarta, o Ministério Público do Rio de Janeiro afirmou que o porteiro mentiu ao citar Bolsonaro.

 

Para Claudinei, há uma tentativa de atrapalhar a gestão do pesselista.

 

Por que não cobram investigação sobre quem mandou o matar presidente com aquela facada? É mais fácil atacar o presidente e associar ele à morte da vereadora. Querem jogar na lama o nome do nosso presidente

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-language:EN-US;}

“Forças ocultas que estão querendo manchar a imagem do Bolsonaro, que está na Arábia Saudita buscando investimentos para tirar o País da crise que se instalou nos últimos 16 anos, por conta de governos corruptos”, afirmou o parlamentar.

 

“Por que não cobram investigação sobre quem mandou o matar presidente com aquela facada? É mais fácil atacar o presidente e associar ele à morte da vereadora. Querem jogar na lama o nome do nosso presidente”, disse.

 

No discurso, Claudinei disse acreditar não haver envolvimento de Bolsonaro com o caso Marielle e que manterá o apoio ao presidente.

 

“Mas te garanto meu apoio, presidente. Vamos lutar contra essa baixaria, essa manipulação, querendo jogar a população contra o presidente”, completou. 

  

Reportagem do JN

 

O Jornal Nacional teve acesso ao depoimento que o porteiro do condomínio de Bolsonaro deu a Polícia Civil do Rio de Janeiro.

 

Ele afirmou à Polícia que, horas antes do assassinato, em 14 de março de 2018, um suspeito do crime, Élcio de Queiroz, entrou no condomínio e disse que iria para a casa do então deputado Jair Bolsonaro. 

 

No entanto, os registros de presença da Câmara dos Deputados mostram que Bolsonaro estava em Brasília no dia.

 

Em resposta à reportagem, o presidente fez um vídeo em suas redes sociais, e se isentou da responsabilidade do crime e fez duras críticas à Rede Globo.

 

“Estou à disposição para falar nesse processo, conversar com esse delegado sobre esse assunto, pra começar a colocar em pratos limpos o que está acontecendo no meu nome. Por que estão querendo me destruir?”, indagou o presidente.

 

Na transmissão, Bolsonaro credita o vazamento do depoimento do porteiro ao governador Wilson Witzel (PSC). “Ele já se lança candidato a presidente para 2022. Para atingir seu objetivo, ele tem que destruir a família Bolsonaro”, disse.