Quinze cidades do Vale do Teles Pires se unem contra o avanço do coronavírus na região

Por Esportes & NotíciasCom Só Notícias

Os prefeitos das cidades que compõem as regiões do médio norte e norte de Mato Grosso vão se encontrar na próxima quinta-feira. O objetivo é debater a pandemia o coronavírus, o crescimento da doença na região e medidas que podem ser adotas para evitar mais mortes e a infecção da população dos municípios, diminuindo assim o número e pessoas com necessidade de internações no já abalado sistema hospitalar das duas regiões, que são campeãs do agronegócio mato-grossense.

Integradas no Consórcio Público de Saúde do Vale do Teles Pires, os prefeitos das cidades de Sinop, Lucas do Rio Verde, Nova Mutum, Vera, Cláudia, Feliz Natal, Ipiranga do Norte, Itanhangá, Nova Ubiratã, Santa Carmem, Santa Rita do Trivelato, Tapurah e União do Sul, que formam o Consórcio Público de Saúde Vale do Teles Pires, confirmaram que o encontro terá início as 9 horas e que o primeiro assunto a ser discutido é com relação ao aumento de leitos para o atendimento aos doentes do vírus e o alinhamento de ações contra o vírus. Segundo o presidente do consórcio, Edu Pascoscki, os prefeitos estão ajudando o Estado na compra de equipes para a instalação de mais dez leitos.

“Os 15 municípios ajudarão pagar os custos para instalações desses novos leitos. Precisamos colocar para funcionar o mais rápido possível”, explicou Pascoski, lembrando que a região conta hoje com 20 leitos em ITI, mas disponíveis para Covid-19 são apenas 3 no regional de Sinop 2 em Sorriso que já estão ocupados.

“Cada município vai entrar com uma cota para fechar a compra de novos leitos. Estamos fazendo o levantamento. Não vamos fazer besteira para comprometer todos os prefeitos para depois a Polícia Federal bater na nossa porta por comprar equipamentos superfaturados. Estamos buscando equipamentos no mercado. Ainda estamos vendo quanto deve custar, mas as cotas devem variar de R$ 80 a R$ 100 mil. A cota deve variar de acordo com o número populacional de cada município”, explica o presidente do consórcio.

Pascoski ressaltou ainda que quem está na ‘ponta’ precisa de movimentar. “Os prefeitos estão fazendo o que podem, mas se as pessoas não contribuírem não vai adiantar todos os esforços feitos. As pessoas precisam ficar em casa e não nos botecos e lanchonetes. Se elas se cuidassem um pouco mais, não teríamos tantas contaminações”, cobrou.

De acordo com o boletim epidemiológico da secretaria de Estado de Saúde, juntos os 14 municípios do Consórcio Público de Saúde Vale do Teles Pires, tem 1.445 casos positivos.