Reunio com prefeito adiada de novo e Sindimed pede urgncia

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

MicrosoftInternetExplorer4

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:”Times New Roman”;
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;}

Foi mais uma vez adiada a reunião entre o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) e o Sindimed (Sindicato dos Médicos de Mato Grosso), que ameaça cruzar os braços em razão da falta de condições de trabalho e de produtos na rede municipal.

 

A reunião, que inicialmente estava marcada para acontecer na sexta-feira (10), havia sido adiada para esta segunda (13) à tarde. Conforme o Sindimed, porém, nesta manhã a Prefeitura tentou antecipar o encontro para as 11 de hoje, mas o sindicato afirmou que era inviável, já que não haveria tempo para mobilizar os dirigentes.

 

Assim, o encontrou ficou marcado para as 17 horas de terça-feira.

 

“Essa é a segunda vez que o prefeito remarca a reunião, que de sexta passou para segunda e agora para terça. Esperamos que realmente amanhã sejamos recebidos”, afirmou o diretor de comunicação do Sindimed, Adeildo Lucena.

 

“A categoria tem urgência já que entre os assuntos que serão discutidos estão as condições de trabalho e a falta de medicamentos e produtos para dar atendimento a população. Com saúde não se brinca”.

 

O sindicato diz que aguardará novo prazo agendado, mas alerta que há uma assembleia geral marcada para a quarta-feira (15). Os profissionais estão em estado permanente de greve.

 

Os médicos afirmam que há cerca de um ano tenta, em vão, ser recebido pelo secretário de Saúde Antonio Possas de Carvalho ou o  prefeito para tratar de problemas estruturais na rede.

 

“Não temos interesses políticos só queremos que os assuntos da saúde de Cuiabá sejam resolvidos. Sabemos que a Prefeitura está investindo em estrutura física, mas sem pessoal e sem condições de trabalho como medicamentos a saúde não melhora”, completou. 

 

Uma das demandas dos médicos foi atendida parcialmente. Segundo o sindicato, parte dos servidores não havia recebido uma parte do pagamento referente a 2019. No entanto, a Prefeitura já realizou o pagamento na semana passada.