Safras: preços do boi encontram ponto de equilíbrio, mas devem subir na entressafra

O mercado físico de boi gordo registrou preços estáveis nesta sexta-feira, 14. Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, os frigoríficos ainda apontam para uma posição mais confortável em suas escalas de abate, posicionadas em média entre cinco e sete dias úteis. “Os preços parecem ter encontrado um ponto de acomodação em grande parte do país. Assim, é pouco provável que os frigoríficos encontrem espaço para exercer pressão ainda maior sobre o mercado”, assinala.

Para o início da entressafra, a expectativa é que seja evidenciada a retomada do movimento de alta, em linha com a potencial redução do confinamento de primeiro giro. “Basicamente o mercado pecuário voltará a conviver com um ambiente pautado pela restrição de oferta”, disse o analista.

Em São Paulo, Capital, a referência para a arroba do boi ficou em R$ 304. Em Goiânia (GO), a arroba teve preço de R$ 290, estável. Em Dourados (MS), a arroba foi indicada em R$ 294. Em Cuiabá, o preço chegou em R$ 301. Em Uberaba, Minas Gerais, preços a R$ 297 a arroba, inalterados.

Atacado

No mercado atacadista, os preços permaneceram estáveis. Conforme Iglesias, o ambiente de negócios ainda sugere por alguma queda durante a segunda quinzena do mês, período que conta com menor apelo ao consumo. “Os preços da carne bovina seguem em patamar proibitivo, reforçando o consumo de proteínas mais acessíveis, a exemplo da  carne de frango. Este movimento se torna ainda mais evidente em um ano pautado pela lenta recuperação da atividade econômica”, aponta Iglesias.

Com isso, o corte traseiro teve preço de R$ 20,35 o quilo. O corte dianteiro teve preço de R$ 17,35 o quilo, e a ponta de agulha permaneceu em R$ 17,35 o quilo.

O mercado físico de boi gordo registrou preços estáveis nesta sexta-feira, 14. Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, os frigoríficos ainda apontam para uma posição mais confortável em suas escalas de abate, posicionadas em média entre cinco e sete dias úteis. “Os preços parecem ter encontrado um ponto de acomodação em grande parte do país. Assim, é pouco provável que os frigoríficos encontrem espaço para exercer pressão ainda maior sobre o mercado”, assinala.

Para o início da entressafra, a expectativa é que seja evidenciada a retomada do movimento de alta, em linha com a potencial redução do confinamento de primeiro giro. “Basicamente o mercado pecuário voltará a conviver com um ambiente pautado pela restrição de oferta”, disse o analista.

Em São Paulo, Capital, a referência para a arroba do boi ficou em R$ 304. Em Goiânia (GO), a arroba teve preço de R$ 290, estável. Em Dourados (MS), a arroba foi indicada em R$ 294. Em Cuiabá, o preço chegou em R$ 301. Em Uberaba, Minas Gerais, preços a R$ 297 a arroba, inalterados.

Atacado

No mercado atacadista, os preços permaneceram estáveis. Conforme Iglesias, o ambiente de negócios ainda sugere por alguma queda durante a segunda quinzena do mês, período que conta com menor apelo ao consumo. “Os preços da carne bovina seguem em patamar proibitivo, reforçando o consumo de proteínas mais acessíveis, a exemplo da  carne de frango. Este movimento se torna ainda mais evidente em um ano pautado pela lenta recuperação da atividade econômica”, aponta Iglesias.

Com isso, o corte traseiro teve preço de R$ 20,35 o quilo. O corte dianteiro teve preço de R$ 17,35 o quilo, e a ponta de agulha permaneceu em R$ 17,35 o quilo.

Canal Rural © 2020 Todos os direitos reservados.

Canal Rural © 2020 Todos os direitos reservados.