Seleção Brasileira vence EUA por 2×0

Diante da fragilidade da equipe dos Estados Unidos, o placar do amistoso (vitória por 2 a 0) foi o menos importante. O primeiro jogo após o Mundial da Rússia valeu mais pelas pistas de como será a seleção de Tite no novo ciclo olímpico e pelo tão esperado teste das caras novas. O principal destaque, no entanto, acabou sendo um velho conhecido: Douglas Costa. O atacante, que já havia dado mostras de seu potencial na Copa, foi quem melhor aproveitou a oportunidade.

– É importante continuarmos o que vínhamos fazendo. No caso, recomeçar, porque há vários jogadores novos. Mas a base é a mesma. E retomar ganhando é importante. Dá para esperar muita dedicação dessa equipe. Esse é o nosso caminho – disse Douglas Costa.

Foi dele a jogada do primeiro gol, marcado por Roberto Firmino, logo aos 5m de jogo. No lance, esbanjou fôlego e chegou a uma velocidade de quase 35 quilômetros por hora. Ao longo do jogo, foi o jogador da Juventus ainda comandou os principais ataques da seleção. Neymar, aproveitando um pênalti para lá de duvidoso em Fabinho, deu contornos finais ao placar, aos 43m ainda do primeiro tempo.

O camisa 10, por sinal, teve um começo tímido. Soltou-se mais na etapa final, mas não brilhou. Destacou-se mais pelo comportamento. Evitou as quedas que fizeram dele motivo de chacota na Copa e não bateu boca nem com o árbitro e nem com os adversários. Foi seu primeiro jogo depois que Tite o anunciou como capitão efetivo.

Tite aproveitou a etapa final para fazer testes. Entraram Lucas Paquetá, Arthur, Éverton e Richarlison. Dedé não chega a ser um novato. Mas viveu seu recomeço com a camisa da seleção. Ninguém brilhou. Mas, passada a ansiedade da estreia, podem render mais daqui para a frente. Na terça-feira, o jogo é contra El Salvador.

Por EXTRA