Soja passa para o campo positivo e opera com altas próximas de 20 pts na Bolsa de Chicago

Neste início da tarde de quinta-feira (11), as altas entre as posições mais negociadas da soja na Bolsa de Chicago são de quase 20 pontos. Depois de começarem o dia com estabilidade, por volta de 12h25 (horário de Brasília), os futuros da oleaginosa subiam entre 15 e 19,50 pontos, com o março valendo US$ 13,73 e o agosto, US$ 13,13 por bushel. 

Além dos fundamentos já conhecidos, o mercado ainda encontrou espaço para a recuperação das baixas fortes de ontem com a chegada do novo boletim semanal de vendas para exportação do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), o qual trouxe números acima do esperado. 

Da safra 2020/21, foram vendidas 804,7 mil toneladas na semana encerrada em 4 de fevereiro, enquanto o mercado esperava algo entre 300 mil e 750 mil toneladas. A China foi o principal destino. 

Em toda temporada, as vendas americanas já totalizam 59,462,2 milhões de toneladas, do total estimado para exportado pelo país de 61,24 milhões. Há um ano, o total comprometido era de 32,8 milhões de toneladas. 

Os EUA venderam ainda 178,5 mil toneladas de soja da safra 2021/22, dentro das projeções do mercado de 50 mil a 300 mil toneladas. Neste caso, a nação asiática também foi o principal destino da oleaginosa americana.  

Ontem, as primeiras posições encerraram o dia perdendo quase 50 pontos em um movimento forte de realização de lucros. Os fundamentos são conhecidos pelo mercado, porém, são monitorados também o comportamento da demanda chinesa, a evolução da colheita na América do Sul, as condições de clima para a conclusão da safra. 

A chegada do feriado do Ano Novo Lunar na China nesta sexta-feira (12) – com duração de 15 dias –  também é acompanhado já que, no período, as negociações tendem a ficar mais amenas, acontecendo em um ritmo mais lento.

Por: Carla Mendes