VACA SEM BEZERRO!!!

Pecuarista, a semana foi marcada por mais uma alta do bezerro, quebrando o recorde histórico atingindo o preço médio de R$ 3.000,00 (desmama). A baixa oferta de bezerros em plena safra é resultado de anos com elevação do número de fêmeas abatidas, no ano de 2020, o comportamento foi diferente registrando o menor índice de abate de vacas desde 2003, com queda comparada a 2019 de 29% no abate de vacas e 14% no abate de novilhas (IBGE), demonstrando que o pecuarista está retendo matrizes visando recuperar a oferta de bezerros.

Tabela- Número de fêmeas abatidas em 2019 e 2020

 Fonte: IBGE

                                                                                                                                                                                

O preço do bezerro vai cair nos próximos anos?!

Em meus artigos passados, venho citando ás dificuldades que enfrentamos nos meses anteriores  diante da forte seca, a massa de capim seco acabou, falta de alimentos alternativos no mercado, vacas parindo magras, bezerros ao pé da vaca com o “vazio fundo” pela sua mãe não produzir leite, inúmeras fazendas lutando contra o fogo, pastagens degradadas, as fontes de águas naturais para o gado beber secaram, limitando ainda mais os locais de pastejo e muitas vacas morreram de fome e sede. Todos esses fatos geraram fortes consequências, algumas fazendas suspenderam a estação de monta 2020/21, isso mesmo, suspenderam a estação de monta, outras realizaram a desmama precoce dos bezerros com o objetivo de aumentar os frustrados índices de inseminação artificial, e por minhas andanças, ainda vejo muita vaca magra solta com touro na expectativa de que venha emprenhar. Diante de tantos desafios não podemos esperar resultado satisfatório da estação de monta 2020/21, teremos sim, uma queda significativa na taxa de prenhez em grande parte das fazendas e no ano 2022 teremos um menor número de bezerros desmamados. 

A quem acredite no “antigo” ciclo da pecuária: preço da @ aumenta = cresce a demanda por bezerros = aumenta a produção de bezerros = cresce o abate de boi = cai o preço da @ = cai a produção de bezerros. Porém os tempos mudaram, o boi ganhou um novo motor diante dos avanços genéticos, tecnologias nutricionais foram desenvolvidas dando velocidade para o boi ser abatido com 24 meses, os chineses estão aprendendo a comer carne e o mundo está cada vez mais dependente da nossa produção, a “máquina” está pedindo boi.  Diante dos fatos não conseguimos visualizar possibilidades na queda do preço do bezerro para os próximos anos, mesmo com a redução significativa do abate de fêmeas.

Conforme nossa expectativa de virada do mês, o boi mais uma vez apresentou elevação no preço da @, o excelente desempenho das exportações de carne bovina tem garantido a oferta visto que o mercado interno sofre diante dos reflexos da pandemia, a China segue sendo o principal comprador da carne brasileira, e o dólar elevado favorece a lucratividade em reais de frigoríficos brasileiros.

Encerrando nosso bate papo, a Direção da Heineken Brasil procurou a diretoria da Acrimat (Associação dos Criadores de Mato Grosso), com o objetivo de buscar ajuda e se desculpar diante de sua falha com o pecuarista, mas até a data desse artigo, a polêmica publicação não foi apagada.

Espero que parte da minha rotina tenha lhe contribuído, espero você no próximo fim de semana.

Faber Carneiro – Médico Veterinário – Gestor Técnico em Pecuária

Especialista em Sistema de Produção de Bovinos

Especialista em Reprodução de Bovinos

Mestre em Ciências Veterinária – Patologia Doutorando em Biociência Animal  

Não Percam a data!

30-05-2021 às 13h MT

Mais informações (66) 3532-0077

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *